Veja BH recomenda

Veja BH Recomenda

01/08/2012 11:54

Mateus Baranowski
Diante do Espelho: reflexões sobre a infância, a velhice e a morte

Especial
A-MOSTRA.LAB.
O cenário teatral de Belo Horizonte anda fervilhando com as ideias de uma nova geração de atores, produtores e diretores. O atual projeto de ocupação do espaço Esquyna é um exemplo valioso. Até o dia 5, jovens artistas estarão reunidos para apresentar dezenove cenas de curta duração. Uma delas é Diante do Espelho, drama psicológico dirigido por Rick Alves. No palco, o elenco registra questões existenciais e reflexões sobre a infância, o presente, a velhice e a morte. Depois de cada espetáculo, o público pode interagir com os criadores num bate-papo despretensioso mediado por um artista ou crítico convidado. Para a entrada, são cobrados módicos R$ 2,65.
Clique aqui para mais informações




Divulgação
Rosana Lanzelotte: trabalho de recuperação da música brasileira de concerto

Concerto
III Circuito BNDES Musica Brasilis
. A cravista Rosana Lanzelotte vem fazendo um portentoso trabalho de pesquisa e divulgação da música de concerto brasileira. Na sexta (3), a musicista faz concerto gratuito no Museu Inimá de Paula, onde apresenta repertório centrado na música clássica feita durante os ciclos econômicos do açúcar, do ouro, do diamante, do café e da borracha. O ponto de partida são os cantos tupinambás do século XVI, considerados os mais remotos registros musicais brasileiros. Seguindo o rastro historiográfico, aparecem canções da época dos jesuítas. Modinhas de violão e a música sacra de Minas vêm na sequência. Dos escravos chega o lundu, gênero musical que ressoa até hoje no cancioneiro daqui. A temática indígena, uma das inspirações de Heitor Villa-Lobos, encerra o programa. Com Rosana, dividem o palco Rosana Lamosa (soprano), Fernando Portari (tenor), Ricardo Kanji (flautas), Nicolas de Souza Barros (violão e guitarras), Alberto Kanji (cello), Mingo Araújo (percussão), José Staneck (harmônica), Duo Santoro (cellos) e a Orquestra de Câmara do Amazonas.
Clique aqui para mais informações




Divulgação/Ascom
Ouro Preto pelos olhos do mestre Guignard: desenho inédito

Exposição
Alberto da Veiga Guignard.
Em 1944, o então prefeito da capital, Juscelino Kubitschek, convidou o pintor carioca Alberto da Veiga Guignard (1896-1962) para estabelecer-se em Belo Horizonte e lecionar artes visuais. Mas foi Ouro Preto a cidade que acabou encantando o artista. O Museu Casa Guignard, localizado na cidade histórica, homenageia o cinquentenário de morte do artista com a mostra temporária Ouro Preto: Amor Inspiração. Quinze desenhos inéditos feitos em grafite e bico de pena sobre papel mostram a antiga Vila Rica sob o ponto de vista do mestre. Alguns trabalhos foram feitos da sacada do Grande Hotel de Ouro Preto, onde ele costumava se hospedar. Outros foram inspirados em cenários igualmente icônicos, como o largo da Igreja Matriz Nossa Senhora do Pilar e a Igreja São Francisco de Assis, onde ele foi enterrado.




Marcelo Tinoco
Sérgio e Paulo (sentados), Branco e Tony (de pé): eles estão de volta

Show
Titãs.
Todo mundo sabe cantarolar pelo menos uma música do disco Cabeça Dinossauro, dos Titãs. Lançado em 1986, o terceiro álbum do grupo trazia um rock nacional cheio de crítica social em faixas poderosas como Igreja, Polícia, Estado Violência, Bichos Escrotos e Homem Primata. Em comemoração dos trinta anos de estrada, eles chegam à cidade na sexta (3) com a turnê do emblemático disco. Após a saída de Arnaldo Antunes, Nando Reis e Charles Gavin da formação original, a banda resiste com Paulo Miklos, Branco Mello, Sérgio Britto, Tony Bellotto e Mário Fabre (baterista que substitui Ga­vin há dois anos). Além das faixas de Cabeça Dinossauro, que serão tocadas na sequência original, o setlist de 26 músicas ainda promete outros sucessos, como Televisão, Flores e Diversão. Repertório para fã nenhum botar defeito.
Clique aqui para mais informações



Comentários
[an error occurred while processing this directive]
BUSCAR