Bares

O melhor boteco de BH: Bartiquim

- Atualizado em

Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Tô veno nada (R$ 26,90): almôndegas com queijo minas e tomate seco

A ocasião faz o ladrão, diz o ditado popular. E também o cozinheiro. Rômulo Silva, o Bolinha, é prova disso. Ele só aprendeu a cozinhar quando, aos 22 anos, foi trabalhar em uma fazenda na zona rural de Formiga, no interior do estado. Foi lá que começou a se virar com as panelas. Assim, foi acertando a mão no tempero. Fazia até tatu ensopado. A receita não aparece mais no seu fogão, tampouco no cardápio do Bartiquim, fundado por ele em 2002. Bolinha permanece todos os dias firme no leme da cozinha do bar. Na agradável esquina das ruas Silvianópolis e Perite, tem gente ávida por sua comida. São petiscos feitos com ingredientes simples, que se transformam nas mãos desse alquimista. Caso do tô veno nada, porção de almôndegas recheadas com queijo minas e tomate seco (R$ 26,90), ou do bão tamém, costelinha servida com farofa de jiló (R$ 26,70). Bolinha não se dá bem só na cozinha. Ele é ótimo de papo. Quem chega dizendo que não come língua é convencido rapidamente a provar o pirei na língua, tira-gosto feito com língua de boi oferecida com purê de batata e torresmo (R$ 27,40). Fisgou até sua atual mulher pelo estômago, quando a visitava no trabalho levando uma porção de carne de panela. Ela pediu a receita, tentou fazer em casa e não ficou igual. O jeito foi casar com o danado para ter esses saborosos petiscos sempre à disposição.

Rua Silvianópolis, 74, Santa Tereza, ☎ 3466-8263 e 9654-5433. 16h30/0h (sáb. 11h/22h; dom. 11h/18h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. ④ ↔ Aberto em 2002.

Odin
(Foto: Redação VejaBH)
Bolinha: bom papo e alquimia na cozinha

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE