Trânsito

Apesar das férias, BH sofre com trânsito congestionado até em janeiro

Mesmo com a redução de 50000 veículos durante o recesso escolar, a capital padece com engarrafamentos provocados por manifestações, obras e mudanças viárias

Por: Glória Tupinambás - Atualizado em

Carlos Hauck/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Ruas fechadas por manifestações, a exemplo da Praça Sete: caos atípico para esta época do ano

Janeiro é sinônimo de calorão e tranquilidade no trânsito graças às férias escolares, certo? Em parte. As temperaturas escaldantes compareceram, é verdade, mas quem sonhava com ruas vazias se decepcionou. Segundo a BHTrans, houve uma redução média de 50 000 veículos dentro do perímetro da Avenida do Contorno nos dias úteis deste mês - uma queda de 10%. No entanto, motoristas foram surpreendidos por cenas atípicas nesta época do ano: longos congestionamentos, buzinas estridentes e tumultos em vias da capital. A principal causa dos problemas foram as manifestações. Nos vinte primeiros dias de 2015, ocorreram nada menos que treze protestos no centro da cidade e em avenidas importantes como a Antônio Carlos, próximo à Universidade Federal de Minas Gerais. Servidores da saúde reivindicaram melhores salários, passageiros reclamaram do aumento da tarifa de ônibus, guardas municipais foram às ruas depois que uma agente foi atingida por bala de borracha, moradores de ocupações populares pediram a inclusão de famílias em programas públicos habitacionais... E quem pagou o pato foi o motorista.

Outro fator que ajudou a tumultuar o tráfego foram mudanças nas regras de circulação. De acordo com a BHTrans, em dezembro e janeiro houve oito alterações no trânsito - entre elas, as da Avenida Cristiano Machado, na altura do novo acesso à Avenida Silviano Brandão. As obras também são apontadas como vilãs. Segundo a Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap), oito intervenções viárias e de prevenção de enchentes encontram-se em andamento na cidade, com impacto para a circulação dos carros. E os motoristas devem se preparar para mais transtornos até o fim do mês, uma vez que está programado, para esse período, o início da construção de calçadas na Avenida Afonso Pena e nas ruas Espírito Santo, Tamoios e Tupis. As obras fazem parte da Operação Trânsito Melhor/Mobicentro, projeto que prevê novas travessias de pedestres no hipercentro.

Os congestionamentos registrados neste mês foram considerados episódios pontuais por especialistas e pela BHTrans. O que não significa que não tenham causado muitas dores de cabeça. Consultor em transporte e trânsito, Silvestre de Andrade explica por que esses casos isolados, sobretudo as manifestações, trazem sérias consequências para o fluxo. "O fechamento de uma rua em qualquer época do ano, mesmo que seja apenas por alguns minutos, sempre provoca transtornos", diz. "Os reflexos se propagam como ondas de choque por outras vias e cruzamentos, comprovando que o trânsito é muito sensível." Se daqui a pouco mais de uma semana, com a volta às aulas - e dos tais 50 000 veículos que deixam as ruas nesta época -, esses "episódios pontuais" continuarem a ocorrer com tanta frequência, o motorista que se prepare.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE