Cultura

Prefeitura estimula a ocupação cultural da Praça da Estação

Iniciativa é inspirada no sucesso do circuito da Praça da Liberdade

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Gladstone Campos
(Foto: Redação VejaBH)

Quando publicou um decreto que proibia eventos de qualquer natureza na Praça Rui Barbosa, mais conhecida como Praça da Estação, em 2009, a prefeitura não esperava que a decisão fosse tão mal recebida. Imediatamente, grupos culturais desobedeceram à ordem e passaram a promover apresentações por lá. A decisão acabou revogada em 2010. Agora, outro decreto, publicado em junho, tenta corrigir o equívoco daquela proibição ao transformar o endereço e seu entorno na Zona Cultural da Praça da Estação. O objetivo é estimular a realização de atividades ligadas às artes e atrair público para essa região do Centro, que é tomada principalmente pelo comércio popular mas já reúne sete grandes espaços culturais (veja o mapa ao lado). A inspiração para a iniciativa veio do Circuito Cultural da Praça da Liberdade, que, desde 2010, integra os museus em funcionamento nos prédios históricos antes ocupados por secretarias estaduais e é um projeto bem-sucedido - só no mês de junho, foram quase 125 000 visitantes.

Foram necessárias, porém, algumas adaptações à realidade da Praça da Estação. A começar pelo próprio nome. "Considerando que essa área recebe muitos eventos a céu aberto e na rua, preferimos usar o termo zona em vez de circuito, justamente para dar a noção de que qualquer lugar dentro do perímetro é aberto ao uso", explica o presidente da Fundação Municipal de Cultura, Leônidas Oliveira. A Rua Aarão Reis e o Viaduto Santa Tereza são exemplos de endereços onde, antes mesmo do decreto municipal, ocorreram eventos populares, como o Duelo de MCs. Segundo Oliveira, a prefeitura abrirá, a partir do próximo ano, editais para a ocupação da zona cultural. "Qualquer pessoa poderá propor uma ação, que contará com verba municipal para ser realizada", afirma ele. "Queremos facilitar ao máximo o uso cultural da região." Até 2015, a Fundação Municipal de Cultura deverá constituir um conselho consultivo que terá a missão de definir um plano diretor para a área.

Um dos pioneiros na ocupação da Praça da Estação, o Espaço CentoeQuatro - uma antiga fábrica transformada em galpão multiúso, com área para eventos, biblioteca, café e cinema - é um dos endereços que têm atraído moderninhos para o centro da cidade. "Aqui é um dos lugares mais bonitos de Belo Horizonte, só precisa de um pouco de atenção", diz a coordenadora e curadora, Luciana Tanure. Atenção é o que a prefeitura garante que, a partir de agora, não faltará. Depois de consolidar a ocupação cultural da Praça da Estação, o plano é investir na qualificação da Rua da Bahia para transformá-la em um corredor de ligação ao circuito da Praça da Liberdade. Haja perna para passear por tantas opções culturais.

Gladstone Campos
(Foto: Redação VejaBH)

1. Museu de Artes e Ofícios

Fica no antigo prédio da Estação Ferroviária, erguido em 1922, e abriga objetos, instrumentos e ferramentas de trabalho utilizados no período pré-industrial brasileiro, principalmente entre os séculos XVIII e XX.

Praça Rui Barbosa, 600, Centro, ☎ 3248-8600.

2382_Cultura02.jpg
(Foto: Redação VejaBH)

2. Museu GiramundoNo espaço da trupe teatral há bonecos, cenários e projetos de Álvaro Apocalypse, o fundador do grupo.

Rua Varginha, 245, Floresta, ☎ 3446-0686.

 Fotos Gustavo Andrade/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

3. Centro Cultural da UFMGO edifício de 1906 recebe mostras de cinema, exposições de artes plásticas, apresentações teatrais, encontros, debates e palestras. Lá também funciona o Museu Vivo da Memória Gráfica, dedicado a práticas como tipografia e caligrafia.

Avenida Santos Dumont, 174, Centro, ☎ 3409-8290.

2382_Cultura04.jpg
(Foto: Redação VejaBH)

4. Espaço CentoeQuatroFunciona em um prédio de 1908, que recebeu a primeira fábrica de tecidos da capital. Seus vãos livres, galerias e salas têm vocação multiúso e podem receber exposições, shows e peças teatrais. O espaço conta com uma biblioteca, um café e um dos poucos cinemas de rua da cidade, dedicado a filmes de arte.

Praça Rui Barbosa, 104, Centro, ☎ 3222-6457.

5. Serraria Souza Pinto

O prédio construído em 1913, que está em fase final de reforma, tem capacidade para receber até 4 000 pessoas nos seus 5 000 metros quadrados. É opção para eventos de grande porte, como feiras e festivais.

Avenida Assis Chateaubriand, 809, Centro, ☎ 3213-3434.

6. Funarte MG

A antiga Casa do Conde conta com seis amplos galpões que abrigam apresentações de dança, circo, teatro e música, além de mostras de artes visuais. Também costuma receber atividades de formação para profissionais da área cultural.

Rua Januária, 68, Floresta, ☎ 3213-3084.

7. Teatro Espanca!

Além de ser usada para ensaios, a sede de um dos principais grupos teatrais da capital é preparada para sediar espetáculos de artes cênicas e eventos de arte contemporânea.

Rua Aarão Reis, 542, Centro, ☎ 3657-7348.

Veja o mapa:

2382_maps.jpg
(Foto: Redação VejaBH)

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE