Belo-horizontino Nota Dez

Belo-horizontino Nota Dez

Nomes: Gilberto Porta e Telma de Oliveira | Profissões: metalúrgico aposentado e funcionária pública | Atitude transformadora: criaram o BH Legal, um guia virtual para pessoas com deficiência

Por: Luisa Brasil - Atualizado em

Nidin Sanches/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

"A gente não quer que ninguém passe pelo que nós passamos."

Telma de Oliveira

Foi por amor que o metalúrgico aposentado Gilberto Porta se mudou de São Paulo para Belo Horizonte, em 2000. Ele veio para passar um feriado com a namorada, a funcionária pública Telma de Oliveira, e acabou ficando. Porta simpatizou de cara com a cidade e com a hospitalidade dos mineiros. Como é tetraplégico, no entanto, sua adaptação sofreu alguns percalços. O principal era não conseguir encontrar artigos para pessoas com deficiência, o que dificultava sua locomoção. "Precisei de uma almofada especial, e meu irmão teve de mandar de São Paulo", diz. Foi a partir daí que ele e Telma, que anda com o auxílio de muletas, pensaram em criar o BH Legal (www.bhlegal.net), um guia virtual com informações sobre comércio e serviços voltados para deficientes. "Uma vez a cadeira do Gil quebrou e não tínhamos ideia de onde consertar", conta Telma. "Percebemos então que o setor de ortopedia não publica anúncios."

Autodidata, Porta aprendeu a programar e pôs a página no ar em 2006. No site, é possível buscar locais que vendem artigos fisioterápicos, ortopédicos e médicos. Também há indicações de profissionais que prestam serviço especializado, como taxistas, dentistas, instrutores de autoescola e arquitetos, além de dicas sobre equipamentos culturais acessíveis. Com uma média de 12 000 acessos por mês, o site ajuda principalmente quem acabou de entrar nesse difícil universo. "Fico sensibilizada quando recebo o e-mail de uma pessoa que estava desorientada, sem saber como encontrar as coisas", afirma Telma. "A gente não quer que ninguém passe pelo que nós passamos." Apesar do perrengue inicial, Porta diz que a oferta de produtos e serviços para pessoas com deficiência vem melhorando em quantidade e qualidade nos últimos anos. Em outubro, ele participou da primeira turma de um curso de mergulho adaptado oferecido na capital. A estreia em mar aberto se deu em Arraial do Cabo, no litoral do Rio de Janeiro. "Foi uma sensação de liberdade, de paz", conta Porta, já sonhando em mergulhar em Fernando de Noronha.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE