Belo-horizontina Nota Dez

Belo-horizontino Nota Dez

Nome: Robert William de Carvalho | Profissão: policial civil aposentado | Atitude transformadora: fundou a ONG Defesa Social, que atua na prevenção ao uso de drogas em escolas públicas e oferece atendimento gratuito a dependentes químicos

Por: Glória Tupinambás - Atualizado em

Nidin Sanches/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

"Eu só sabia prender e colocar algemas. Agora sei o valor de estender a mão"

Como policial civil, Robert William de Carvalho foi treinado para prender e tratar com pulso firme os usuários de drogas. Mas, no dia a dia da profissão, percebeu que seu trabalho poderia ir além das punições. A possibilidade de orientar crianças e adolescentes sobre os riscos do envolvimento com produtos ilícitos e ajudar dependentes químicos o sensibilizou. Há dez anos, Carvalho fundou a ONG Defesa Social e hoje se orgulha de ter contribuído para transformar a vida de 1 300 pessoas. Com sede no bairro Venda Nova, a instituição sem fins lucrativos conta com uma equipe, além de outros quatro voluntários - um psicólogo, um assistente social, um pedagogo e um monitor. "Eu só sabia prender e colocar algemas", diz o policial aposentado. "Agora sei o valor de estender a mão."

O principal foco da ONG é o combate ao uso do crack. Com base em uma pesquisa realizada na rede pública de ensino de Belo Horizonte, Carvalho traçou uma estratégia de prevenção para 53 escolas de nível fundamental e médio, em parceria com o governo do Estado. O primeiro contato com os jovens é feito por meio de palestras educativas. Nas escolas, são identificados casos que exigem uma intervenção diferenciada. "Diretores e professores nos procuram quando estão diante de situações complexas de envolvimento com drogas entre alunos ou até mesmo nas famílias", conta o policial aposentado. Além de atuar nas instituições de ensino, a Defesa Social atende gratuitamente, em sua sede, usuários de drogas encaminhados por entidades parceiras. Lá, a equipe de voluntários os ajuda a lutar contra o vício. A ONG também dá suporte à família dos dependentes.

Pai de cinco filhos e avô de cinco netos, Carvalho se orgulha de chegar aos 50 anos com disposição para tanto trabalho. Depois de se aposentar como investigador e abrir a Defesa Social, ele resolveu retomar os estudos para conquistar um diploma, seu sonho da juventude. Aprovado no vestibular para o curso de direito, ele traça planos para o futuro. E o principal deles é expandir o leque das campanhas de prevenção da entidade que dirige para drogas lícitas, como o álcool e o tabaco.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE