Comportamento

Belo-horizontinos abrem as portas das suas casas para turistas

Em troca de renda extra ou de intercâmbio cultural, sofás e quartos são oferecidos para viajantes

Por: Thiago Alves - Atualizado em

Victor Schwaner/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

A empresária Renata Ávila Yanni (de pé) com seus hóspedes Razvan Isac, Ana Maria Miclea e Elisa Volpato, acompanhados do cão whippet Bucka: a suíte custa 130 reais por dia

Aempresária Renata Ávila Yanni, de 36 anos, abre mão do conforto da sua cama para ceder lugar a um hóspede cada vez que aluga, por 130 reais a diária, sua suíte no apartamento em que vive, no Prado. Se surge alguém interessado em ocupar todo o imóvel - nesse caso, a 190 reais por dia -, ela se muda para o sítio da mãe, em Ribeirão das Neves, na região metropolitana. Para muita gente, a ideia de entregar as chaves da própria residência a desconhecidos pode parecer um pouco fora de propósito. Mas experiências como a de Renata se tornaram cada vez mais comuns por aqui. De acordo com os registros do site americano Airbnb (www.airbnb.com.br), especializado em compartilhamento de casas, o número de anúncios em Belo Horizonte cresceu 200% no último ano. Atualmente, há 220 imóveis cadastrados no serviço. O Centro e a Savassi são os bairros com o maior número de ofertas e também os preferidos dos turistas.

"Desde que coloquei o anúncio, no início do ano, quase não durmo mais no meu quarto", conta Renata, que conheceu o serviço quando procurava opções de hospedagem na Guatemala, para onde foi no último Carnaval. Ela alugou uma casa com vista para o vulcão Pataya, pelo período de cinco dias, por 1 000 reais. "Se eu ficasse em um hotel, pagaria 50% a mais", compara. "E ainda havia um guia e uma empregada à minha disposição." Animada pela experiência positiva, resolveu alugar seu apartamento. "Esse sistema nunca me deu problema. As pessoas que o utilizam têm o mesmo espírito", afirma (veja quadro com algumas informações sobre o Airbnb). Segundo ela, a renda extra já ga­­rantiu a reforma de dois quartos.

No mês passado, Renata hospedou um casal de jornalistas da Romênia e uma empresária de São Paulo. "Além de gastar menos, você conhece profundamente a cultura local e tem o conforto que só uma casa oferece", comentou a romena Ana Maria Miclea. Mineira de Itajubá e radicada em São Paulo há treze anos, Elisa Volpato veio a trabalho e gostou tanto do modelo que pretende tornar-se anfitriã. "Tenho um quarto sobrando e espero alugar muito para reformar meu banheiro", planeja.

Memorialista da Secretaria Estadual de Casa Civil, Daniel Rubens Prado, de 34 anos, é outro que aderiu ao sistema de compartilhamento de casa. Em outubro, vai fazer um teste como hóspede em um apartamento no Brooklyn, em Nova York. Além de economizar dinheiro, ele espera ter uma viagem diferente. Quer vivenciar o dia a dia e os costumes dos moradores. É exatamente isso que a designer de moda Anaelisa Scalon, de 28 anos, tenta oferecer aos estrangeiros que hospeda em sua casa na Serra. "Eles sentem-se tão à vontade que até dormem no meu sofá", conta. Integrante da CouchSurfing, uma rede de intercâmbio entre turistas, Anaelisa não cobra pela hospedagem. Para ela, a oportunidade de ampliar seu repertório cultural vale mais que dinheiro.

Viagem mais econômica

Como funciona o site Airbnb, com oferta de sofás, quartos e casas inteiras

Cadastro

Anfitriões e hóspedes precisam criar um perfil para anunciar um imóvel ou fazer uma reserva.

Reputação

No perfil de cada usuário há espaço para informações sobre sua reputação. Os anfitriões avaliam os hóspedes. Os turistas avaliam os imóveis e seus donos. Quanto mais referências positivas o usuário tem, mais fácil é alugar um imóvel ou ser aceito como hóspede.

Pagamento

As diárias são pagas com cartão de crédito, no ato da reserva, e o valor só é creditado ao anfitrião um dia após a chegada do hóspede, que deve confirmar se encontrou o que foi anunciado.

Taxa do serviço

O site cobra do anfitrião uma taxa pelo serviço de 3,5% sobre o valor total da hospedagem. Para o turista, a taxa é de 6%.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE