Belo-horizontinos Nota Dez

Belo-horizontinos Nota Dez

Nomes: Gabriela Bouzada, Mariana Diniz, Marina Lessa e Victor Sampaio | Profissão: estudantes universitários | Atitude transformadora: gestos de gentileza urbana, como distribuição de flores nas ruas da cidade

Por: Carolina Daher - Atualizado em

Gustavo Andrade/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

"Queríamos que as pessoas tivessem um momento de alegria no meio do caos urbano" Gabriela Bouzada (à esq.), com Victor Sampaio e Mariana Diniz"

Por onde eles passam brotam flores e sorrisos. Inspirados pelo livro O Menino do Dedo Verde, do escritor francês Maurice Druon, quatro amigos se juntaram para distribuir gentilezas pela cidade. No ano passado, a estudante de psicologia Gabriela Bouzada, de 20 anos, convidou os alunos de arquitetura Mariana Diniz, de 20, Victor Sampaio, de 21, e Marina Lessa, de 20 (que no momento está fazendo intercâmbio na Nova Zelândia), para criar o Dedos Verdes, um grupo que se propõe a realizar "ações de gentileza" pela cidade. "Queríamos que as pessoas tivessem um momento de alegria no meio do caos urbano", conta Gabriela.

A primeira ação da turma foi realizada em junho de 2012. Com plaquinha pendurada no peito com a frase "Uma flor ameniza uma dor", seus integrantes se reuniram na esquina da Rua Leopoldina com a Avenida do Contorno, na Savassi, para entregar flores a quem passava. "Alguns não entendiam a proposta. Queriam saber quanto custava", lembra Victor. Motoristas assustados nem sequer abriam a janela do carro. "As pessoas não estão acostumadas com carinho", completa. Há dois meses, o Dedos Verdes conseguiu firmar parceria com a empresa Camilla & Odette Design de Eventos, que doa flores utilizadas em festas para ser reaproveitadas. "Todas as vezes que via aqueles arranjos indo para o lixo, eu me sentia jogando fora sentimentos", diz a decoradora Odette Castro. "O trabalho deles é fantástico. Receber uma flor pode mudar o seu dia."

A distribuição de flores não é a única iniciativa dos quatro. Para a ação "Jogue conversa fora", por exemplo, eles montaram um espaço com tapete, almofadas e livros na rodoviária, no Centro. Na semana passada, distribuíram minidocinhos recheados em um movimento batizado como "Um sonho por um sonho", no prédio da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, no Câmpus Pampulha. Jovens e cheios de boas intenções, os integrantes do Dedos Verdes têm feito escola. Já foram chamados para realizar intervenções em São Paulo e no Rio de Janeiro. Como dizia o profeta, gentileza gera gentileza.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE