Bichos

Bichos

Por: Glória Tupinambás - Atualizado em

Adriano Gambarini
(Foto: Redação VejaBH)

Cadê o pato?

A ONG Terras Brasilis promoverá, em maio, uma ação para identificar ninhos de pato-mergulhão em Minas Gerais. Na nossa Serra da Canastra, que abriga a nascente do Rio São Francisco, a 328 quilômetros da capital, está o principal refúgio no país dessa espécie raríssima e criticamente ameaçada de extinção. Segundo a ONG, há apenas 250 aves do tipo em todo o planeta. Com o estudo dos pontos de reprodução, especialistas poderão entender melhor os hábitos dos animais e propor estratégias para sua preservação.

sxc.hu
(Foto: Redação VejaBH)

Xô, resfriado!

As mudanças bruscas de temperatura típicas do outono podem ser uma ameaça à saúde de cachorros e gatos. Segundo a veterinária Priscilla Vasconcelos Netto, os donos precisam tomar cuidados especiais para proteger seus pets. Confira as dicas da médica.

› Diminua a frequência dos banhos. Gatos podem ficar até dois meses sem lavagem. Os cães, duas semanas.

› Para fazer a higiene, use sempre água morna. Depois, seque bem o pelo para evitar retenção de umidade.

› Evite passeios na rua em dias de chuva e ventos fortes.

› Cachorros de pelo curto devem usar roupas apropriadas.

› Use cobertores e mantas para tornar a cama do animal mais aconchegante.

Beagá com menos raiva

Há trinta anos nenhum caso de raiva é registrado entre moradores de Belo Horizonte - um marco que vem sendo comemorado pela Secretaria Municipal de Saúde. Em animais domésticos, a última ocorrência foi em 1989. Apesar dessa vitória, é importante manter a vacinação antirrábica para cães e gatos. Entre os morcegos, ainda há registros da patologia e, portanto, risco de contaminação. A vacina é aplicada gratuitamente no Centro de Controle de Zoonoses, no bairro São Bernardo. Para facilitar o atendimento, cães devem ser levados na coleira. Já os gatos, em gaiolas ou enrolados em cobertores.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE