Cidade

Belo-horizontinos aderem às bicicletas compartilhadas

Uma média de 119 pessoas por dia utilizam as magrelas alaranjadas do Bike BH

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Nidin Sanches/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Além da invasão de turistas, as bicicletas compartilhadas, que começaram a circular pela cidade no dia 7 de junho, deram a Belo Horizonte um pouco da atmosfera das grandes metrópoles estrangeiras. Pelas praças e ruas da região Centro-Sul, pessoas de todas as idades, vestidas com roupas esportivas ou até de terno, têm sido vistas circulando nas bicicletas alaranjadas do Bike BH, o programa de mobilidade urbana da prefeitura, em parceria com o banco Itaú e a empresa Serttel. Não é raro chegar em uma das quatro estações em funcionamento e não encontrar nenhuma magrela disponível. Até a última sexta (11), 4 058 pessoas já tinham utilizado o sistema, uma média de 119 por dia.

A psicóloga Bárbara Lavinski já utilizou o serviço sete vezes. "As bicicletas são confortáveis e têm marchas boas", afirma. "Não vejo a hora de abrirem mais estações para poder sair do circuito da Praça da Liberdade e andar pela cidade." Para usar as bicicletas, é preciso comprar passes que podem ser diários (3 reais), mensais (9 reais) ou anuais (60 reais). Bárbara, que comprou um pacote mensal, faz apenas uma ressalva em relação às ciclovias: "Poderíamos ter mais".

Outra que aderiu à proposta, a administradora de empresas Arlete Vieira não teve sorte na primeira vez que foi retirar a bicicleta. Um problema técnico atrapalhou o passeio. Segundo a administradora, havia uma bike disponível no ponto da Praça da Liberdade, mas o aplicativo para smartphones indicava que não havia nenhuma. Após seis tentativas frustradas de resolver o defeito pela central de atendimento, ela acabou desistindo. "Foi chato porque comprei um passe mensal, era o último dia do pacote e eu queria aproveitar." Mesmo assim, Arlete - que foi informada de que um técnico seria enviado para verificar o problema na estação - pretende renovar o passe. "Vou apostar porque acho o projeto muito válido e estou na torcida para que dê certo."

Além das quatro estações já em funcionamento, com um total de quarenta bicicletas disponíveis, o prefeito Marcio Lacerda promete a construção de outros 36 pontos até o fim do ano, com dez bicicletas em cada um. Segundo ele, Belo Horizonte tem um potencial de 350 quilômetros de ciclovias. Hoje, são apenas 60 quilômetros implantados. "Até o fim deste ano chegaremos a 100 quilômetros", prometeu ele no lançamento do Bike BH.

Para se cadastrar no programa de bikes compartilhadas, é preciso ligar na central de atendimento telefone ( 4003-9847) ou entrar no site mobilicidade.com.br/bikebh. No endereço online, o usuário pode consultar quantas viagens foram feitas e o crédito de gás carbônico gerado pelo uso do meio de transporte sustentável. Também é possível baixar o aplicativo para smartphones. Confira o endereço das estações em funcionamento:

- Praça Rui Barbosa: Avenida Santos Dumont, em frente ao número 165, esquina com a Rua da Bahia, perto do Centro Cultural da UFMG.

- Mercado Central: Avenida Augusto de Lima, em frente ao número 876, entre a Rua Santa Catarina e a Praça Raul Soares.

- Praça Afonso Arinos: próxima da Escola de Direito da UFMG, na esquina com a Avenida João Pinheiro.

- Praça da Liberdade: Avenida João Pinheiro, em frente ao número 607, perto da lanchonete Xodó..

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE