Trânsito

Polícia Militar fecha o cerco aos carros ilegais, que representam 27% da frota de BH

Corporação faz três blitze diárias para flagrar veículos com multas e impostos vencidos

Por: Rafaela Matias - Atualizado em

Bruno Figueiredo/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Duas áreas do pátio no bairro Betânia: superlotação

Cerca de 395 000 veículos irregulares, que circulam pela cidade com multas e impostos vencidos, estão na mira da Polícia Militar. Pelo menos três blitze vêm sendo realizadas por dia, uma em cada turno, para flagrar carros nessas condições. De acordo com o Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-­MG), 27% da frota de carros de Belo Horizonte, que é de 1,5 milhão de automóveis, encontra-se com documentação irregular. Segundo as estatísticas do departamento, 1 000 carros, em média, são apreendidos a cada mês na capital. Entre janeiro e junho, 5 590 motoristas foram autuados por conduzir veículo não licenciado (confira no quadro da página ao lado as pendências mais frequentes). Além de trazer prejuízos aos cofres públicos, boa parte desses maus pagadores costuma negligenciar outras obrigações, causando transtornos ao trânsito e ao meio ambiente e pondo em risco a segurança dos pedestres e demais motoristas. "A pessoa que não honra seus tributos é a mesma que despreza a manutenção do veículo", diz o administrador José Aparecido Ribeiro, consultor em assuntos urbanos e de trânsito.

Quando é flagrado com restrições no Detran, o automóvel acaba apreendido e levado para um dos cinco pátios na cidade. O proprietário tem de arcar não só com a multa de 191,54 reais por condução de veículo não licenciado, mas também com os custos do reboque (que varia de 92,34 reais a 192,59 reais, conforme o modelo) e a diária de permanência no pátio (entre 15,83 reais e 31,66 reais). Se os débitos de veículos apreendidos não forem quitados em um prazo de até noventa dias, o carro será leiloado. Desde 2012, o procedimento vem sendo adotado como estratégia para combater a superlotação nos depósitos. Mesmo assim, é grande o acúmulo de automóveis, como ocorre no pátio do Be­­tânia. Em um galpão lotado estão carros apreendidos nas últimas semanas. Em outra área, ao ar livre, em meio ao mato alto, ficam os velhinhos que acabaram abandonados por lá e que, agora, só po­­derão ser leiloados como sucata. "Com o aumento das blitze e da fiscalização, o número de veículos apreendidos subiu muito", afirma o diretor do Detran, Anderson Alcântara Silva Melo. "Nós precisamos intensificar os leilões." Neste ano, já foram realizados três deles na capital. Na última semana, encontravam-­se à venda 937 veículos, entre unidades consideradas em bom estado de conservação e sucatas. No ano de 2013, em Minas Gerais, foram arrematados 49 000 carros, motos e caminhões que estavam enferrujando nos depósitos do Detran.

Rodando sem documento

Entre o 1,5 milhão de automóveis, motos e caminhões registrados na capital:

19,75% têm débito de seguro

17,31% não pagaram IPVA

17,10% devem taxa de licenciamento

16,35% acumulam multas

8,77% têm outros impedimentos

395 000 não foram licenciados em 2014

* O mesmo veículo pode ter mais de uma pendência.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE