Economia

Copa do Mundo em Minas Gerais rende 2 bilhões de reais em receitas

Dinheiro foi gasto pelos 355 000 visitantes que o estado recebeu

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Victor Schwaner/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Turistas provaram e aprovaram nossa gastronomia

Se dentro de campo a Copa do Mundo deixou uma lembrança triste para Minas Gerais, com a derrota por 7 a 1 do Brasil para a Alemanha no Mineirão, fora das quatro linhas ela foi um excelente negócio para o estado. Uma das doze sedes do campeonato, Belo Horizonte recebeu seis partidas, que atrairam cerca de 355 000 turistas. Destes, quase metade, 200 000, eram estrangeiros. Diretamente, eles injetaram uma receita de 451,3 milhões de reais nos caixas do setor de comércio e serviços da cidade. Indiretamente, a presença dos visitantes rendeu outros 1,6 bilhão de reais na economia estadual, segundo dados de uma pesquisa feita pela Secretaria de Estado de Turismo e Esportes (Setes), a Belotur e o curso de Turismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Dos turistas que estiveram por aqui, 71% visitavam Minas Gerais pela primeira. Como esperado, a nossa gastronomia encantou boa parte deles. Cerca de 77% dos viajantes provaram - e aprovaram - nossa gastronomia, e guardaram a lembrança principalmente do feijão tropeiro e do pão de queijo. É possível que a cidade os tenha conquistado pelo estômago, já que, entre os turistas que visitaram mais de uma cidade-sede da Copa, 31%, considerou Belo Horizonte a capital mais preparada para os jogos.

A julgar pelo que responderam aos pesquisadores, a imensa maioria (92%) quer voltar a Belo Horizonte para o lazer. Haja feijão tropeiro.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE