Perfil

Delegada Rosângela Tulher mostra rigor com os motoristas que dirigem embriagados pela cidade

Plantonista dos fins de semana no Detran, é ela quem recebe os infratores de Belo Horizonte

Por: Rafael Rocha - Atualizado em

Victor Schwaner/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Rosângela em sua salinha: "Não adianta bochechar com vinagre, passar carvão na boca ou tomar isotônico"

Quando a reportagem de VEJA BH chegou à delegacia do Detran, por volta das 23 horas de um sábado, Rosângela Tulher foi logo avisando: "Hoje está bombando". É diante da delegada que vão parar os motoristas detidos nas blitze da Lei Seca dos fins de semana em Belo Horizonte. Aos 49 anos, ela comanda uma equipe de oito policiais na delegacia da Avenida João Pinheiro, no bairro de Boa Viagem, para onde são levados os infratores. "Saio daqui com ares de Mortícia Addams", diz a bem-humorada Rosângela, referindo-se à matriarca da série de TV A Família Addams. Vaidosa assumida, ela não abre mão do salto alto, da maquiagem, dos cabelos escovados, das unhas bem pintadas nem de seu marcante perfume adocicado. Toda produzida, a delegada plantonista passa a noite em sua salinha de persianas velhas, aguardando a chegada dos infratores. Isso é o que não falta. A capital deve ultrapassar, neste ano, o recorde de flagrantes de motoristas embriagados (veja o quadro na pág. 42). Sua equipe a consulta sobre o encaminhamento de cada caso. Pelas regras da Lei Seca, o condutor com teor alcoólico acima de 0,34 miligrama por litro de sangue é detido e multado em 1 915,40 reais. Para ser liberado, ainda tem de pagar uma fiança cujo valor é determinado pela autoridade policial do plantão. Depois de ouvir o relato sobre o perfil do motorista, Rosângela - que está há sete anos no cargo - não costuma levar mais do que poucos segundos para bater o martelo e anunciar seu veredicto. Não dá moleza a quem é pego alcoolizado.

Na noite em que VEJA BH acompanhou o plantão, no fim de agosto, foi no início da madrugada que o movimento começou. A voz da cantora Adele, que se ouvia no computador de um policial, foi cortada pela chegada de um aposentado de 54 anos flagrado com teor alcoólico de 0,47 miligrama por litro de sangue. A delegada Rosângela determinou uma fiança de 1 000 reais para liberá-lo. Experiente, ela conhece as artimanhas de quem tenta enganar os policiais. "Não adianta bochechar com vinagre, passar carvão na boca nem tomar isotônico", avisa. Para um reincidente, não teve dó: estabeleceu uma fiança de 8 000 reais. Em pouco tempo, a salinha de vidro onde os infratores têm de aguardar ficou cheia, preocupando a delegada. "Se lotar, dá tumulto", explica. Até o nascer do sol, doze motoristas foram detidos. "Não foi tanto assim. Já aconteceu de fazermos 26 flagrantes em doze horas."

De fala geralmente mansa, Rosângela sabe ser dura quando a situação exige. Certa vez, estipulou uma fiança de 60 000 reais para um motorista suspeito de participação em tráfico de dro­­gas. "Na mesma hora, ele mandou alguém buscar uma maleta cheia de dinheiro e pagou", lembra. A delegada garante que ninguém escapa ileso de suas mãos depois de ser pego dirigindo alcoolizado. Conta que já autuou políticos, policiais, juízes e artistas. A história que mais gosta de repetir, no entanto, não se passou no Detran. Ocorreu em 2006, quando trabalhava em uma delegacia de Manhuaçu, na Zona da Mata, e recuperou dois tratores para o ator Tarcísio Meira. "Ele foi pessoalmente à delegacia me agradecer", conta, toda prosa. Se alguém duvida, Rosângela mostra a foto dos dois juntos para provar. "Até hoje, ele e a Glória Menezes me ligam todo Natal."

Graças às redes sociais, a fã de Tarcísio Meira anda experimentando um pouco do gostinho da fama. A delegada - que está solteira - fez o maior sucesso entre os colegas depois que postou no Facebook as fotos de um ensaio para o qual posou recentemente, bem maquiada e de vestido curto. "Assim vou acabar me sentindo uma top model", respondeu aos comentários registrados em sua página.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE