Trânsito

Esse caos pode ter fim: desafogar avenidas e o Anel

Por: Paola Carvalho - Atualizado em

2269_transporte05.gif
(Foto: Redação VejaBH)

Para retirar o trânsito de importantes avenidas, a solução seria construir um sistema viário periférico. "Estudos mostram que metade do tráfego que passa por grandes vias pode ser desviado para outras de menor fluxo", afirma o engenheiro Frederico Rodrigues, consultor de trânsito. Alguns projetos nesse sentido estão engavetados há anos. Os planos para a Via 710 — que ligará as regiões Leste e Nordeste, pelas avenidas Andradas e Cristiano Machado, sem passar pelo Centro — foram desenhados na década de 80 e só agora sairão do papel. Com o custo de obras e desapropriações estimado em 172 milhões de reais, as intervenções devem ser entregues no segundo semestre do ano que vem. Outras obras que precisam sair da gaveta para aliviar o tráfego nos grandes corredores da capital são a reforma dos 26,5 quilômetros do Anel Rodoviário, que cruza a cidade, e a construção do Rodoanel, uma via de 67,5 quilômetros que ligaria o ponto sul da BR 381 (Fernão Dias) ao ponto norte da mesma rodovia, na saída para Vitória. Essa estrada passaria por oito municípios: Betim, Contagem, Ribeirão das Neves, Pedro Leopoldo, São José da Lapa, Vespasiano, Santa Luzia e Sabará. O Rodoanel evitaria que caminhões que vêm do sul do país em direção ao Centro-Oeste, por exemplo, entrassem na capital. De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), não há prazo definido para o lançamento do edital do projeto. Tudo dependerá da liberação de verba federal. No caso do Anel Rodoviário, falta a oficialização do convênio em que o governo do estado assumirá a reforma da via federal.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE