Especial

O fator Mineirão

Com as arquibancadas sempre cheias, a Raposa atropelou os adversários que enfrentou no Gigante da Pampulha

Por: João Renato Faria e Thiago Alves - Atualizado em

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
(Foto: Redação VejaBH)

A casa do Cruzeiro, no jogo contra o Grêmio, no domingo (10): recorde de público

O Mineirão é nosso" é uma espécie de grito de guerra da torcida celeste. E ela tem razão. Das catorze partidas do Campeonato Brasileiro disputadas no gramado do Estádio Governador Magalhães Pinto, o Cruzeiro venceu doze. Só perdeu uma vez, para o São Paulo, e empatou outra, com o Santos. "Não se trata de uma coincidência a volta ao Mineirão e a campanha que o Cruzeiro está fazendo", diz o jornalista Juca Kfouri. "Durante a reforma do Mineirão, o clube foi muito prejudicado por precisar jogar longe de sua torcida." Entre julho de 2010 e junho de 2012, como se sabe, a Raposa mandou seus jogos em vários estádios no interior. No segundo semestre do ano passado, voltou a jogar na capital, com a conclusão da reforma no Estádio Independência, no Horto. Mas só se sentiu real­mente em casa depois da reinauguração do Mineirão, em fevereiro. É da equipe celeste a maior média de público do Campeonato Brasileiro, com 28 714 torcedores por jogo. No domingo (10), 56 864 pessoas assistiram à vitória sobre o Grêmio. Plateia maior, o Gigante da Pampulha só viu na Copa das Confederações, com a seleção brasileira em campo.

Leia também + Heróis dentro de campo, jogadores levam o Cruzeiro à conquista do tricampeonato

O Cruzeiro é o clube que mais partidas disputou no estádio: 1 571 desde sua inauguração, em 1965. Foi ali que, em 1966, o esquadrão estrelado ganhou por 6 a 2 do Santos de Pelé, na primeira partida da final da Taça Brasil, então o mais importante torneio nacional do país. A retumbante vitória, que se tornaria histórica, chamou a atenção do país inteiro para três craques: Tostão, Dirceu Lopes e Raul Plassmann. De lá para cá, a Raposa já conquistou no Mineirão 23 campeonatos estaduais, três Copas do Brasil (1993, 2000 e 2003), uma Libertadores (1997) e um Brasileirão (2003).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE