Futebol

Final entre Atlético e Cruzeiro confirma boa fase do futebol mineiro

Clubes de Belo Horizonte irão decidir o título da Copa do Brasil

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Agif/Folhapress - Friedemann Vogel/Getty Images
(Foto: Redação VejaBH)

O atacante Luan comemora o quarto gol do Galo contra o Flamengo: virada emocionante. Lucas Silva, Marcelo Moreno, William e Júlio Baptista celebram o empate celeste com o Santos: classificação debaixo de chuva

Os foguetes, gritos e buzinas que atravessaram a madrugada da última quinta (6) foram apenas uma mostra do que está por vir. Será de arrepiar: pela primeira vez, Atlético e Cruzeiro se enfrentarão na fase final de um campeonato nacional. Imperdível, inesquecível e épico são apenas alguns dos adjetivos que vêm sendo atribuídos ao encontro dos arquirrivais na batalha pelo título da Copa do Brasil. Além de levar os torcedores à loucura, os resultados das partidas disputadas pelos dois clubes na última quarta (5), que garantiram as vagas na final, coroaram o bom trabalho que o Galo e a Raposa vêm desenvolvendo desde 2012. De lá para cá, as duas equipes mineiras se firmaram entre os protagonistas do futebol brasileiro. O Atlético foi vice-campeão do Brasileirão naquele ano, venceu a Libertadores em 2013 e conquistou a Recopa em 2014. Já o Cruzeiro ficou com o título do Brasileirão no ano passado e tem grandes chances de repetir o feito no atual torneio, colocando as mãos na taça do tetracampeonato.

Em comum, as campanhas dos dois adversários na Copa do Brasil têm placares quase inacreditáveis, desses que merecem destaque nos anais do mundo da bola. Vindo de uma derrota por 2 a 0 para o Flamengo, o Atlético precisava vencer por 3 a 0, mas começou o jogo no Mineirão levando um gol. O placar obrigava o Galo a repetir o milagre que já havia operado contra o Corinthians, nas quartas de final, e fazer quatro gols. Em pouco mais de 45 minutos, embalado pelo grito "Eu acredito" da torcida, o time conseguiu a virada que parecia impossível com marcações de Carlos, Maicosuel, Dátolo e Luan. Enquanto isso, na Vila Belmiro, debaixo de chuva forte, o Cruzeiro deixou o Santos abrir 3 a 1, resultado que o eliminava da competição. Mas, prestes a ouvir o apito final, William marcou duas vezes e garantiu a sexta participação celeste em uma decisão da Copa do Brasil.

A chegada dos dois clubes à fase final não é surpresa para os comentaristas de futebol. "São dois times que estão no topo já há algum tempo", diz o cronista esportivo e ex-atacante Tostão. "Deu a lógica dos melhores." Prudente, ele evita fazer previsões para a finalíssima (veja o histórico de embates entre os dois clubes no quadro ao lado). "O Cruzeiro tem o melhor elenco do país, é o mais estruturado, organizado, mas o Atlético vive de rompantes, que criam momentos gloriosos", analisa. "Agora, tudo pode acontecer." A única certeza dos comentaristas e dos torcedores é que Belo Horizonte vai parar para assistir às duas partidas da disputa pelo título, na quarta (12) e no dia 26. Será um duelo de titãs nos gramados mineiros.

83 anos de confrontos

Os arquirrivais Atlético e Cruzeiro disputaram a primeira partida em 1931. De lá para cá, jamais se enfrentaram em decisões que não fossem de torneios estaduais ou amistosos. Nunca se encontraram em finais do Campeonato Brasileiro, da Copa do Brasil e da Libertadores. Em 1987, os dois times estiveram próximos da disputa por um título nacional. Jogaram as semifinais da Copa União, o Brasileirão da época, mas acabaram eliminados - o Galo pelo Flamengo e a Raposa pelo Internacional. Considerando apenas as finais do Campeonato Mineiro, foram 21 embates entre as duas equipes. O clube celeste tem uma pequena vantagem: saiu-se melhor em doze deles.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE