Saúde

Cinco dicas para encarar o horário de verão

Mudança começa no domingo (21), com os relógios sendo adiantados em uma hora

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Odin
(Foto: Redação VejaBH)

À meia-noite deste sábado (20), os relógios deverão ser adiantados em 1 hora

A tarde vai ser um pouco maior até o dia 17 de fevereiro. À meia-noite deste sábado (20), começa o horário de verão. Assim que começar o domingo (21), todos os relógios devem ser adiantados em uma hora no Distrito Federal e em mais onze estados, inclusive em Minas Gerais.

Mas se adiantar os ponteiros é fácil, o organismo precisa de um tempo que varia de três dias até três semanas para se adaptar. Psiquiatra do Hospital das Clínicas da UFMG, o médico Antônio Alvim está desenvolvendo uma pesquisa na área do ritmo biológico e dá dicas para não sofrer demais com a mudança de horário.

- Tenha um horário fixo para dormir e acordar: manter o sono regular é o melhor jeito de encarar a mudança. "Se você acorda às 7h, mantenha assim no novo horário. O corpo se adapta rapidamente a essa mudança, mesmo que a sensação de sono seja mais forte nos primeiros dias", diz Alvim.

- Evite bebidas com álcool ou cafeína: as duas substâncias afetam o sono. Com o descanso já prejudicado pela mudança, café, chá ou uma cervejinha podem dificultar ainda mais na hora de dormir.

- Faça uma atividade física: se exercitar ajuda a cansar o corpo e a dormir. A preferência deve ser sempre por um exercício menos intenso, como natação. Mas encerre algumas horas antes de ir dormir, para que a endorfina, que é um estimulante, seja absorvida pelo organismo.

- Redobre a atenção: segundo Alvim, é comum acontecer um prejuízo na concentração, principalmente durante a primeira semana. "Vale ficar atento no trânsito. Decisões difíceis, como comprar uma casa, também devem ser adiadas, já que o nosso foco sofre uma queda."

- Fique atento com a saúde: a falta de sono pode provocar problemas diversos no organismo. É comum um aumento do estresse e todos os prejuízos que ele provoca, assim como enxaquecas. "Até ataques cardíacos estão mais propensos, graças a um aumento da adrenalina no sangue", diz Alvim. O jeito é prevenir.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE