Saúde

Saiba como se adaptar ao fim do horário de verão

Na meia-noite de sábado (16), relógios serão atrasados em uma hora

Por: João Renato Faria - Atualizado em

2309_onlinehorariodeverao01_dest.jpg
(Foto: Redação VejaBH)

No início, é um sofrimento. Acordar mais cedo, ajustar o corpo a um outro ritmo e almoçar sem fome fazem parte da adaptação para o horário de verão. Mas depois, o organismo se acostuma e quando tudo está em uma rotina, já é hora de mudar de novo. À meia-noite deste sábado (16), todos os relógios devem ser atrasados em uma hora no Distrito Federal e onze estados, entre eles Minas Gerais. A medida durou 88 dias e economizou 200 milhões de reais em energia elétrica, segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Se adaptar de novo ao relógio normal pode ser tão complicado quanto no início da mudança. A hora a mais para dormir pode parecer sedutora, mas para atrasar todo relógio biológio em uma hora pode demorar de três dias a algumas semanas. Segundo o professor de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais e especialista em medicina do sono, Maurício Viotti, todo tipo de mudança no horário das pessoas traz algum prejuízo. "Normalmente a mudança é superada bem rápida, mas idosos e pessoas mais sistemáticas podem ter mais problemas."

Confira dicas para não sofrer demais com a mudança:

Durma e acorde no mesmo horário

Ter uma hora certa para dormir e para acordar é o melhor jeito de absorver melhor a mudança. Se você já está acostumado a se levantar às 8h, o melhor é manter assim. "Fazendo isso, você ajuda o corpo a se habitar mais rápido com o novo horário."

Mantenha a calma

Às vezes, o organismo da pessoa até já se adaptou. Mas a revolta com o horário de verão é tão grande que o atraso no relógio provoca irritações e ansiedade que atrapalham a pessoa a absorver a mudança no psicológico. O jeito é respirar fundo e entender que o horário de verão é -pelo menos por enquanto - inevitável.

Evite remédios para dormir

Um comprimido para combater uma eventual insônia é uma péssima ideia. Como a alteração é de apenas uma hora, a regularização do sono, mesmo que complicada nos primeiros dias, virá sem que seja preciso o uso de um analgésico. "Não justifica tomar alguma coisa para dormir", diz Viotti.

Faça exercícios ao acordar

Uma caminhada leve ou a natação podem ser uma boa pedida para quem acaba se arrastando na cama na hora de levantar. "Praticar alguma atividade logo cedo ajuda o corpo a entender que é hora de despertar", diz Viotti.

Redobre a atenção

Adiantar os horários em uma hora pode provocar interferências na concentração. É possível até que acontecam acidentes de trabalho e batidas de carro. "O melhor é se concentrar um pouco mais enquanto se acostuma."

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE