Bares

Instalado ao pé do Aglomerado da Serra, o Bar do Zé Pretinho faz sucesso entre o público da Zona Sul

Ex-garçom de casas como o Almanaque, o Estabelecimento e o Odeon, o proprietário oferece drinques, petiscos tradicionais e cervejas especiais

Por: Pedro Galvão - Atualizado em

Gustavo Andrade/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Os amigos Danielle Silva, Luana Andrade, Débora Lanna e Gustavo Melo (acima) e o proprietário Zé Pretinho (à dir.): cerveja gelada e vista para os barracos

Fica no fim da Rua Herval, uma das entradas do Aglomerado da Serra, a maior favela da capital mineira, com 50 000 moradores, o imóvel em que o ex-garçom José Carlos Cardoso apostou as fichas para rea­lizar o desejo de ter o seu bar. "Eu imaginava que realizar esse sonho seria muito caro, que eu nunca conseguiria dinheiro suficiente", lembra ele, que é conhecido como Zé Pretinho. Foi sua filha quem o convenceu a pensar em um negócio na comunidade onde nasceu há 51 anos e vive até hoje. Com apenas 17 000 reais para investir, ele próprio transformou o acanhado espaço alugado no estabelecimento cuja clientela vem de todas as partes de Beagá, mesmo de bairros nobres da cidade. Os petiscos tradicionais e as boas opções de drinque e cerveja especial não diferem muito dos de outros tantos botecos belo-horizontinos. Quem frequenta o Bar e Restaurante do Zé Pretinho, no entanto, garante que o atendimento amistoso, o ambiente informal e, claro, a paisagem bastante peculiar tornam o lugar especial. "Cerveja gelada tem em qualquer esquina. O diferencial aqui é que fazemos o cliente se sentir à vontade", afirma Zé, que conta com o apoio dos irmãos, dos cunhados e da filha na operação.

+ 50 histórias que costumam ser contadas pelos belo-horizontinos

+ 20 coisas que só quem é de BH pode entender

As mesas na calçada e numa arejada área externa, onde antes havia um depósito de lixo, garantem o clima de "quintal''. O público, formado por gente de idade variada, inclusive famílias com crianças, degusta tira-gostos como a tábua mix, com linguiça, costelinha de porco, iscas de frango e mandioquinha (38 reais), e a língua ao molho especial (22 reais). O tropeiro completo, com arroz, costelinha e couve, custa 60 reais, serve até três pessoas e é opção para o almoço.

A expertise de Zé, conquistada ao longo de trinta anos de trabalho em bares da Zona Sul de BH, como o Almanaque, o Estabelecimento e o Odeon, foi fundamental para elaborar um cardápio diversificado. "Como sempre trabalhei em bar ba­­cana, quis trazer o que aprendi para a comunidade na qual moro", diz ele. Entre as cervejas artesanais, o menu lista boas opções da Wäls e da Backer (entre 13 e 16 reais). A época de garçom, quando Zé era conhecido por estar sempre com um sorriso no rosto, também lhe garantiu muitas amizades. Desde a inauguração, em janeiro do ano passado, antigos fregueses têm aparecido no estabelecimento, muitas vezes levando companhia. É o caso da turismóloga Fabiana Machado, que mora no Santa Efigênia. "Conheci o bar através de amigos e acabei virando amiga do Zé", conta ela. "Quando eu convido alguém para vir aqui, sempre tem alguém que fica um pouco receoso por causa da localização, mas, assim que chega, adora."

O clima agradou à arquiteta Débora Lanna, moradora do Santo Antônio, que visitou o lugar pela primeira vez com uma turma de amigos, no último dia 21. "Eu li uma informação sobre o bar no Facebook e fiquei curiosa", diz. "Achei muito tranquilo de chegar, pedimos informação na rua e as pessoas foram bastante solícitas para ensinar o caminho."

Figurinhas conhecidas do samba e da boemia carioca, mestre Odilon Costa, ex-di­retor de bateria da Beija-Flor e da Grande Rio, e mestre Nilo da Portela foram outros que visitaram o bar no Aglomerado da Serra no dia 21. Segundo a dupla, que estava na cidade para uma oficina de percussão, o local guarda muitas semelhanças com estabelecimentos da Cidade Maravilhosa. "Não importa se é pobre ou rico, aqui todo mundo é igual", comentou mestre Odilon. "Lem­­bra o Morro do Dendê, no Rio, mas sem tiros, sem violência."

› Bar e Restaurante do Zé Pretinho

Rua Herval, 761, Serra, ☎ 2510-8190. 18h/1h30 (sáb. 13h/2h; dom. 13h/22h; fecha seg.).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE