Trânsito

Intervenções para a instalação do BRT alteram tráfego no Centro de Belo Horizonte

Complexo da Lagoinha e a Praça Raul Soares vão sofrer com o fechamento da Avenida Paraná

Por: Paola Carvalho - Atualizado em

Nidin Sanches/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

A Avenida Paraná, no Centro: o sentido Rodoviária-Mercado Central está fechado

A implantação do novo modelo de coletivos da cidade, o BRT (sigla em inglês para Transporte Rápido por Ônibus), deverá estar concluída em 2014, beneficiando 700 000 pessoas. Até lá, porém, os belo-horizontinos terão de enfrentar muita confusão por causa da empreitada, que custará 859 milhões de reais. As obras chegaram agora à Avenida Paraná, no Centro, por onde passavam diariamente 28 500 carros. Desde o último dia 8, o tráfego de veículos no sentido Praça da Rodoviária-Mercado Central está interditado. Teve de ser alterado o itinerário de 39 linhas de ônibus locais e 45 intermunicipais. Os congestionamentos, naturalmente, estão mais frequentes. E a situação tende a piorar a partir de fevereiro, com o início das aulas, quando o fluxo de veículos voltará ao normal. "As pessoas precisam se acostumar e procurar caminhos alternativos", avisa Ramon Victor Cesar, presidente da BHTrans, empresa que administra o trânsito e os transportes na capital. Daqui a dois anos, a Paraná será usada exclusivamente pelos novos ônibus articulados, assim como a Avenida Santos Dumont, na qual as intervenções foram concluídas no fim de 2012. As estações centrais do sistema BRT ficarão nas duas vias: três na Paraná e três na Santos Dumont.

Os transtornos serão recompensados. É o que garante Cesar. Segundo ele, o tempo para percorrer dois importantes corredores - o primeiro liga as avenidas Vilarinho, Pedro I e Antônio Carlos, o segundo une a estação de ônibus e metrô São Gabriel à Avenida Cristiano Machado - se reduzirá à metade. No modelo atual, um só bairro pode ter mais de uma linha que leva ao Centro. A partir de 2014, os coletivos irão para uma estação na própria região. De lá, os passageiros pegarão um BRT para as estações centrais. Assim, o número de linhas de ônibus que circulam pelo Hipercentro cairá de 482 para 126.

Belo Horizonte terá 200 ônibus articulados no novo sistema, cada um deles com capacidade para transportar 160 pessoas. Haverá rotas expressas e outras com parada em diversos pontos ao longo do trajeto. "Quem mora na Pampulha e vai para o Centro poderá pegar um veículo que atravessará a Avenida Antônio Carlos sem parar", exemplifica Cesar. "Serão viagens mais rápidas em um modelo mais moderno." A passagem será paga em bilheterias nas estações, e não dentro do coletivo. Em painéis de LCD instalados nos ônibus, haverá informações em tempo real sobre a operação do BRT. Até que tudo isso seja realidade, porém, é melhor evitar as imediações do Complexo da Lagoinha e da Praça Raul Soares, que sofrem os efeitos da interdição na Avenida Paraná. A BHTrans está distribuindo à população panfletos com o mapa das mudanças no trânsito e dados sobre as alterações nos trajetos dos coletivos. Para esclarecer dúvidas, motoristas e usuários de ônibus podem ligar para os telefones 3277-8139 ou 156.

O novo modelo

Quando estiver concluído, em 2014, o BRT terá:

200 ônibus articulados

42 estações de transferência

700 000 passageiros beneficiados

23 quilômetros de faixa exclusiva

44 quilômetros por hora de velocidade média na linha expressa

Fonte: BH Trans

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE