Censo

Minas Gerais tem a maior concentração de uniões civis e religiosas, segundo o IBGE

Pesquisa mostra que mineiros são conservadores quando o assunto é casamento

Por: Paola Carvalho - Atualizado em

Wander Faria
(Foto: Redação VejaBH)

O empresário Diones Xavier e a decoradora Priscilla Fonseca, na Praça da Estação: tudo como manda o figurino

Os mineiros são mesmo conservadores quando o assunto é matrimônio. É o que mostram os dados divulgados na quarta-feira passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em Minas Gerais, dos casais que mantêm união conjugal, 58,6% são casados no civil e também no religioso — é o mais alto índice registrado no país. Confirmando o apego às tradições, o estado tem também a menor proporção de uniões informais do Brasil: apenas 25,9% dos casais vivem juntos sem nenhum compromisso formal. Segundo o novo capítulo do Censo 2010 que veio a público, na direção contrária dos mineiros, os ama­paen­ses são os que menos se preocupam em oficializar o relacionamento (63,5% vivem na chamada união consensual).

"Fizemos questão de tudo como manda o figurino", conta a decoradora Priscilla Fonseca, de 33 anos, que se casou no fim do ano passado com o empresário Diones Xavier, de 35. Eles assinaram os papéis no cartório e na igreja. "Casamento no civil e no religioso é uma regra que as famílias tradicionais não querem quebrar", completa Xavier, o quinto e último de seus irmãos a subir no altar. Depois de cinco anos de relacionamento, o empresário convidou o pai da namorada para um almoço e, cheio de cerimônia, pediu a mão da moça em casamento. "É meio sem jeito para o homem, mas as mulheres daqui não deixam passar batido", explica. Depois, os noivos levaram um ano cuidando dos preparativos antes de chegar à porta da igreja, ouvir a marcha nupcial e atravessar o tapete vermelho. E, claro, registraram tudo em um caprichado álbum de fotos. "É um momento único e inesquecível", suspira Priscilla. De acordo com os dados do Censo 2010, a população de casados em Minas Gerais é de aproximadamente 6,5 milhões de pessoas, 30% menor que a de solteiros, que chega a 8,5 milhões. Há ainda 341 000 mineiros desquitados ou separados judicialmente e 553 000 divorciados. Esses podem até ter seguido a tradição, mas no fim da história se arrependeram.

Apego à tradição

58,6% dos casais do estado oficializaram a união no cartório e na igreja

13,6% têm apenas o registro civil

1,9% teve só a bênção religiosa

25,9% vivem na chamada união consensual, sem nenhuma formalidade

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE