Minas, são muitas

Minas, são muitas

Cidade: Sabará | Distância da capital: 24 quilômetros | Região: Grande BH | Número de habitantes: 126 269 | Principais atrações: o casario colonial e os pés de jabuticaba, nos quintais das residências, que são alugados para turistas

Por: Carolina Daher - Atualizado em

Lucas Maia
(Foto: Redação VejaBH)

O centro histórico e as famosas geleias (detalhe): cores e sabores que atraem turistas

A riqueza de uma cidade pode estar na simplicidade de uma árvore repleta de frutos. Nesta época do ano, não é o charme colonial que atrai turistas para a histórica Sabará. Eles vão por causa de suas jabuticabeiras centenárias. "Eu tenho duas árvores com 180 anos", conta, orgulhoso, o eletricista aposentado Antônio Ferreira, que costuma alugar os 52 pés plantados nos jardins de sua residência, no bairro Pompéu. Cada um deles rende, em média, 100 quilos de frutas. Por 200 reais, o "inquilino" do pé poderá passar o dia se empanturrando e ainda levar o que sobrar para casa. No quintal do professor Claudinei José de Oliveira, no bairro General Carneiro, turistas pagam um passaporte de 5 reais para provar frutas de todas as árvores por lá.

Preservar essa tradição é coisa séria em Sabará, considerada a terra da jabuticaba. Em 1982, quando houve grande expansão urbana, entrou em vigor uma lei municipal que garante a redução de até 25% no IPTU a donos de imóveis que mantêm jabuticabeiras em seu pomar. O tradicional Festival da Jabuticaba, que acontece anualmente no segundo semestre, terá neste ano sua 27ª edição. A data só é determinada quando a temporada de chuvas se inicia. Ao contrário de outras espécies, essa fruta dispensa o sol. Fica mais saborosa quando sua maturação se dá sob bastante chuva. Neste ano, como as primeiras trovoadas demoraram um pouco mais, a festa será realizada somente no próximo fim de semana, de sexta (29) a domingo (1º), no Largo do Barão, no Centro. Os visitantes poderão provar guloseimas feitas com jabuticaba - como geleias, doces, compotas, bombons, bo­­los, sorvetes e licores - e ainda assistir a shows musicais. A entrada é franca. No mesmo espaço ocorrerá a 11ª Feira do Artesanato, onde estarão à venda produtos típicos da região, como oratórios e arranjos de flores conhecidos como palma barroca.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE