Trânsito

Novas regras de circulação complicam a vida dos motoristas e exigem atenção nesta volta às aulas

Prefeitura fez alterações na rotas de áreas movimentadas, como a região hospitalar e o centro da cidade

Por: Paola Carvalho - Atualizado em

Gustavo Andrade/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Na Avenida Francisco Sales: é proibido virar à esquerda para pegar a Avenida Alfredo Balena

A partir de segunda (3), com o fim das férias escolares, o número de veículos em circulação na área central de Belo Horizonte aumentará 10% em relação ao mês de janeiro, chegando a 500 000 por dia. Todo mês de fevereiro, os motoristas lamentam a piora do trânsito por causa do início de mais um ano letivo. Desta vez, entretanto, quem está ao volante tem mais um motivo para reclamar: as inúmeras mudanças nas rotas de circulação da cidade. Enquanto muitos estavam de férias, entre dezembro e janeiro, a BHTrans fez alterações em áreas de grande movimento, como a região hospitalar (veja as cinco principais abaixo). Foram as primeiras de um pacote de cerca de cinquenta intervenções previstas no Projeto Mobicentro, que a empresa que administra o tráfego na capital pretende pôr em prática até 2016. "Vamos priorizar o caminho do pedestre e facilitar o fluxo para o transporte coletivo", afirma o presidente da BHTrans, Ramon Victor Cesar. A maior parte dessas medidas tornou-se necessária para a instalação do Move, o sistema de Trânsito Rápido por Ônibus (BRT), que começa a funcionar, em etapas, a partir de 15 de fevereiro.

Surpreendidos pela inversão de sentido em várias vias, como a adoção do sistema conhecido como mão-inglesa na Avenida Carandaí, muitos motoristas andam irritados com as novidades. E não poupam críticas à BHTrans. Especialista em engenharia de transporte e professor da UFMG, Paulo Monteiro considera natural a resistência dos be­lo­­horizontinos às mudanças. "Algumas delas só farão sentido quando todo o plano estiver implementado", diz. Coordenador do curso técnico em transportes e trânsito do Cefet-MG, Guilherme Leiva garante que serão necessários pelo menos quinze dias para que os motoristas se adaptem e o tráfego comece a voltar à normalidade. "É preciso ter a compreensão de que os benefícios são para o coletivo."

Segundo o presidente da BHTrans, quando as linhas do BRT estiverem em operação nas avenidas Antônio Carlos e Cristiano Machado - o que tem previsão para ocorrer antes da Copa do Mundo, em junho -, haverá uma redução de 35% no volume de ônibus que hoje trafegam pelo hipercentro. Até lá, porém, muitas outras alterações serão feitas. Entre as medidas previstas para as próximas semanas estão mudanças de sentido na região da rodoviária, da Praça Raul Soares, no Viaduto Castelo Branco e na Avenida Barbacena. Os motoristas vão precisar ter muita atenção - e paciência - até que todos se acostumem às novas regras.

O que já mudou

Confira as principais alterações feitas na Região Centro-Sul durante as férias

1. Para quem segue pela Avenida Brasil, é proibido virar à esquerda na Rua Rio Grande do Norte, no sentido Savassi. Deve-se retornar pela Avenida Carandaí.

2. O motorista que sobe a Avenida Augusto de Lima rumo à Avenida Afonso Pena não pode mais entrar à esquerda, na Rua Espírito Santo. Tem de seguir em frente e virar à direita na Rua da Bahia.

3. A Rua Goiás virou mão única entre a Avenida Álvares Cabral e a Rua Guajajaras. Assim como a Rua Sergipe, entre as ruas Timbiras e Aimorés.

4. No cruzamento entre as avenidas Francisco Sales e Alfredo Balena, não é mais possível virar à esquerda ou à direita. Quem quiser ir para os bairros Centro, Floresta e Funcionários terá de usar outros acessos.

5. Quem transita pela Rua Pernambuco não pode mais seguir pela Alameda Ezequiel Dias. Há uma nova pista pela Avenida Carandaí, entre as avenidas Afonso Pena e Alfredo Balena.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE