Diversão

Oitava edição do Festival Internacional de Quadrinhos começa na quarta (13)

Na Serraria Souza Pinto, FIQ terá debates, exposições e atividades interativas

Por: Vicente CArdoso Junior - Atualizado em

Reprodução
(Foto: Redação VejaBH)

O Homem de Ferro: versão assinada por Eduardo Schaal

Quem acha que história em quadrinhos é coisa de criança e adolescente nerd se surpreenderá com os números desse mercado: só nos Estados Unidos, ele movimentou mais de 700 milhões de dólares no último ano. Edições antigas e raras valem tanto que viraram alvo de assaltantes. No mês passado, o aposentado Antônio José da Silva, de 63 anos, considerado o maior colecionador de quadrinhos do Brasil, teve mais de 7 000 revistas roubadas de seu acervo, em São Paulo. O interesse do público infantil e adulto pelo tema vem garantindo por aqui o sucesso do Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ), cuja oitava edição será realizada entre quarta (13) e domingo (17), na Serraria Souza Pinto. Promovido a cada dois anos, o evento firmou-se como o mais importante do gênero na América Latina. Em 2011, recebeu cerca de 148 000 visitantes, praticamente o dobro da edição anterior.

"Não é um festival só para especialistas", diz Afonso Andrade, coordenador e um dos curadores. "A diversidade é o que atrai um público tão grande." Neste ano, 85 convidados vão participar da programação gratuita, que inclui debates, lançamentos, exposições e atividades interativas. Uma das principais atrações será a mostra Ícones dos Quadrinhos, com recriações de 100 personagens em­­blemáticos do mundo das HQs feitas por 100 artistas contemporâneos, entre elas as cinco que ilustram esta reportagem. Haverá também exposição de gibis ra­­ros, com ilustrações clássicas, e painéis que relembram o histórico de personagens famosos. "Nosso objetivo é apresentá-los a quem não os conhece bem e exibir algo novo ao leitor fanático", afirma Ivan Freitas da Costa, outro curador do festival. O principal homenageado será o cartunista Laerte Coutinho, criador de personagens como os Piratas do Tietê. Ele participará de um debate sobre sua obra no domingo, às 18 horas. Para assistir a essa ou a qualquer outra das mais de trinta atrações - a programação completa pode ser acessada aqui -, deve-se retirar senha com antecedência.

Outro homenageado é o ilustrador mi­­­neiro Marcelo Lelis, que já foi colaborador dos jornais Estado de Minas e Folha de S.Paulo e teve sua obra publicada em vários países. Cinquenta de suas ilustrações originais estarão em exposição. "O encontro do leitor com o autor é sem dúvida o mais bacana do FIQ", diz Le­­lis, que, na primeira edição, em 1997, teve a chance de conhecer um de seus ídolos, o renomado quadrinista americano Will Eisner, autor da série The Spirit, sucesso dos anos 40. Durante o evento, cerca de 100 revistas e livros de quadrinhos serão lançados por aqui, com sessão de autógrafos. Um programão para fãs de HQ, sejam eles crianças, sejam eles adultos.

8º Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ)Serraria Souza Pinto. Avenida Assis Chateaubriand, 809, Floresta, ☎ 3277-4655. De quarta (13) a domingo (17), das 9h às 22h. Grátis.

Reprodução
(Foto: Redação VejaBH)

Piratas do Tietê: proposta de Gustavo Duarte

Para todas as idades

Atrações agradam a crianças e adultos

Brincando de quadrinhos. Voltada principalmente para o público infantil, a mostra interativa é uma oportunidade para os pequenos criarem tirinhas e serem fotografados como se estivessem dentro de uma história.

Estúdio ao vivo. Cinco artistas convidados farão desse espaço seu local de trabalho, mostrando como são as técnicas de produção de HQ.

Gibiteca. Parte do acervo da Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte estará disponível para leitura.

Ícones dos quadrinhos. A exposição reúne recriações de 100 personagens famosos do mundo das HQs feitas por 100 artistas contemporâneos.

Palco cosplay. O camarim terá peças de personagens conhecidos para quem gosta de se fantasiar.

Painéis de desenho e classificados. Espaço para que os visitantes desenhem e deixem recados para os quadrinistras.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE