Entrevista

Marc Collin fala sobre as vantagens de ser indie

Líder da banda Nouvelle Vague estará em BH na quarta (4) para show da banda

Por: Cedê Silva - Atualizado em

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Cultuada entre os indies, a banda francesa Nouvelle Vague reinventa clássicos do punk e do new wave com roupagens intimistas e revigoradas. Músicas de Joy Division, The Cure e Depeche Mode ganham pitadas de bossa-nova. Na próxima quarta (4), o quarteto volta a se apresentar em BH, no Sesc Palladium. Em entrevista a VEJA BH, Marc Collin, líder da banda, conta um pouco do que anda ouvindo.

Sua banda já vendeu mais de um milhão de discos. Ainda assim, vocês se consideram indies?

Sim, com certeza. Somos um selo indie. Não temos grande plano de marketing, promoção. Somos livres para fazer exatamente do jeito que queremos. Sempre fomos. Escolhemos se vamos fazer turnê ou não. A coisa boa de ter seu próprio selo é que se fizer sucesso você pode escolher se trabalha em um novo álbum ou não.

Você já disse que é um grande cinéfilo. Já viu filmes brasileiros?

Não muitos. Me lembro de 'Cidade de Deus'. Acabo de ver um filme muito bom, 'Frances Ha', é uma comédia americana. Tem um espírito independente e parece um pouco com Woody Allen. É em preto-e-branco.

O que você anda ouvindo atualmente?

Nestes dias, estou realmente curtindo funk e black music do fim dos anos 70 e começo dos 80. Bandas tipo Midnight Star. Acabo de comprar um disco de jazz do marido da Elis Regina (Cesar Camargo Mariano). É ótimo.

Você prefere fazer show para uma plateia sentada ou para o público em pé?

Normalmente eu diria de pé, mas às vezes a plateia sentada é mais calorosa. Gosto que sentados você pode ver melhor como eles reagem.

Qual sua impressão sobre a plateia brasileira?

É um público ótimo, bem animado. É sempre bom voltar, e um prazer reencontrar os amigos.

Você conseguirá ter uns dias de folga por aqui?

Infelizmente não. Estou agora trabalhando em outro projeto com a cantora libanesa Yasmine Handam (Collin colaborou na produção do álbum-solo dela, "Ya Nass", lançado em maio). E já em outubro temos outros shows na Europa.

Dentre as cidades brasileiras que conheceu, de qual mais gostou?

Rio e Olinda. Também gosto de BH, estamos feliz em voltar a BH. Temos boas lembranças da última vez.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE