Música

Coletânea independente homenageia a obra de Milton Nascimento

Nova geração de músicos recria clássicos do cantor

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Pedro David/Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

São mais de cinquenta anos de carreira e um legado musical vasto e riquíssimo. Com tanto tempo de estrada, é natural que a obra de Milton Nascimento atravesse gerações. E é justamente a safra mais nova da música brasileira que está reunida em um projeto para recriar as canções de Bituca.

Batizada de Mil Tom, a coletânea conta com 32 artistas de onze estados brasileiros e está prevista para ser lançada em junho, no site Scream & Yell. A ideia da organização do tributo é do produtor mineiro Pedro Ferreira. Segundo ele, o objetivo é não só perpetuar o trabalho de Milton Nascimento, mas também dar uma nova roupagem às músicas do cantor. "Não é para fazer cover, cada banda vai dar uma identidade própria, recriar as canções de acordo com seu estilo", diz.

Uma das artistas participantes, a cantora paranaense Thais Gulin terá a responsabilidade de interpretar Amor de Índio. Para ela, a liberdade criativa de reinventar uma canção clássica é o principal atrativo do projeto. "Não é que nós vamos apresentar o Milton Nascimento para os jovens, todo mundo começa a ouvir na escola, com Canção da América e Coração de Estudante", diz. "É essa história de poder pirar em cima de clássicos definitivos", diz.

Além disso, o público também poderá participar enviando para o e-mail coletanea.mil.tom@gmail.com fotos que representem ou remetam a cada uma das faixas escolhidas. Uma imagem será escolhida para ilustrar cada música.

Confira a lista de canções

"Ponta de Areia", A Banda Mais Bonita da Cidade (PR)

"Saudade Dos Aviões da Panair" (Conversando No Bar)", Aláfia (SP)

"Vera Cruz", Aline Calixto (MG)

"Cais", Ana Larousse (PR)

"E Daí?", Baleia (RJ)

"Maria Maria", Banda Tereza (RJ)

"Beijo Partido", Blubell (SP)

"San Vicente", Bruno Souto (part. Banda Chá de Pólvora) (PE - SP)

"Paisagem na Janela", Dani Black (SP)

"Credo", Dom Pepo (MG)

"Cravo e Canela", Felipe Cordeiro (PA)

"Para Lennon e McCartney", Fernando Temporão (RJ)

"Canoa, Canoa", Filarmônica de Pasárgada (SP)

"Nos Bailes da Vida", Gisele de Santi (RS)

"O Rouxinol", Karol Conka (PR)

"Sereia", Letuce (RJ)

"Nada Será Como Antes", Los Porongas (AC)

"Caxangá", Orquestra Contemporânea de Olinda (PE)

"Travessia", Pedro Morais (MG)

"Paula e Bebeto", Pélico & Bárbara Eugênia (SP - RJ)

"Paixão e Fé", Phill Veras (MA)

"Tudo Que Você Podia Ser", Rashid (SP)

"Nuvem Cigana", Selvagens à Procura de Lei (CE)

"Caçador de Mim", {Sí}monami (PR)

"Amor de Índio", Thaís Gulin (PR)

"O Trem Azul", The Outs (RJ)

"Canção Amiga", Tiberio Azul (PE)

"Pablo", Tono (RJ)

"Clube da Esquina n° 2", Vanguart (MT)

"Canção do Sal", Verônica Ferriani (SP)

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE