A opinião do leitor

A opinião do leitor

- Atualizado em

VEJA BH

Quero desejar a toda a equipe de VEJA BH sucesso diante do novo desafio. A revista, consagrada no país, tem em sua identidade o vanguardismo e a diversidade, características reconhecidas também em nosso estado. Com suas regiões, Minas é a síntese do Brasil e traz em sua gênese cultura, história e oportunidades.

Alberto Pinto Coelho

Vice-governador de Minas Gerais

Os belo-horizontinos terão à disposição informações úteis e de qualidade, com a chancela da publicação mais lida do país. Trabalhos como esse conseguem transformar toda uma sociedade.

Bruno Falci

Presidente da Câmara de Dirigentes

Lojistas de Belo Horizonte

Espero, de coração, que o comprometimento e o compromisso com a verdade e a imparcialidade sejam, assim como na edição nacional, componentes constantes desta publicação. A revista ficou ótima, superando minhas expectativas. Agora teremos informações, notícias e uma agenda semanal de eventos em nossa cidade.

Emerson Morais Pianchão

A revista está deliciosa, bem escrita. Fiquei com saudade do meu tempo de estudante, na praça da PUC, na Savassi, e de todos os bons momentos que vivi na melhor cidade do país.

Willer Lopes Barbosa Junior

Praça da Savassi

Fiquei muito feliz ao ler a reportagem sobre a recuperação da Praça da Savassi ("Um símbolo restaurado", 9 de maio). Sugiro que noticiem também os problemas da cidade, como as obras da Avenida Antonio Carlos, na região da Pampulha, que nunca terminam e causam muitos transtornos aos moradores.

Samuel Lima

Restaurantes

Quando soubemos que um texto sobre o nosso restaurante, a Parrilla Los Hermanos, sairia na estreia da revista VEJA BH, preparamos-nos aumentando o número de mesas e também de garçons que trabalhariam no fim de semana. Todavia, o que aconteceu no domingo superou em muito nossas expectativas. Por duas vezes, tive de sair do restaurante e ir em outra de nossas unidades buscar cadeiras e mesas. O número de pessoas que apareceram por lá e nos telefonaram foi muito maior do que imaginávamos. Em determinado momento, tivemos fila de espera de quarenta minutos. Algo desse tipo nunca acontece aqui, e os mineiros não estão acostumados com isso.

Beatriz Machado

Luís Giffoni

Habituado com as grosserias dos condutores de BH já na década de 90, perguntei a um taxista em Bruxelas o motivo de tanta gentileza no trânsito daquela capital. Ele respondeu, em inglês perfeito: "Desde a Idade Média, vigora um código de conduta entre condutores de veículos (na época eram carroças e charretes) e pedestres. Foi estabelecido após o fechamento das principais ruas da velha cidade pelos moradores, em virtude de um atropelamento. Eles pactuaram atitudes que tinham o seguinte princípio: as ruas eram de domínio de pedestres. Para facilitarem a vida de todos, estes emprestariam o espaço das vias aos condutores e seus veículos móveis". O conceito prevalece até os dias atuais. Precisamos com urgência de um pacto assim, mesmo que pareça impossível.

Marcus Vinicius do Nascimento

Já que nós, pobres mineiros, não merecemos respeito, quem sabe se os turistas que estão sendo esperados não receberão de nossas autoridades uma campanha de educação no trânsito? Aliado a isso, poderiam pôr câmeras em algumas faixas de pedestres para ensinar da melhor maneira que o ser humano aprende: educação pelo bolso.

Dileia Tavares

Moro no Sion e sofro todos os dias como pedestre na Praça Cairo e como motorista ao longo da Avenida Bandeirantes. Outra questão que me preocupa é o perigo a que os motoristas são levados a se expor ao pegar a Rua Patagônia em direção ao Belvedere. A curva íngreme e fechada, em mão dupla, por onde transitam livremente caminhões de cimento e outras máquinas pesadas, anuncia uma tragédia. Se um caminhão perder o controle na curva em declive, poderá encontrar uma fila de carros subindo a Patagônia, e muitos passageiros sem ter como escapar.

Lucia Neves

Correção: a cachaça Serra Morena ("A vitória da cachaça", 9 de maio) é produzida pela cachaçaria Serra Morena de Salinas, no norte de Minas, e não em Belo Vale.

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejabh@abril.com.br

Cartas: Avenida do Contorno, 5919, 13º andar, CEP 30110-042, Belo Horizonte, MG

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, Veja BH.

Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente.

Atendimento ao leitor: (31) 3254-3518

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de Veja BH.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE