A opinião do leitor

A opinião do leitor

- Atualizado em

Samu

Quero parabenizar Veja BH pela belíssima reportagem sobre os heróis do Samu ("Uma corrida pela vida", 18 de julho). Foi uma matéria simples, direta e emocionante sobre a rotina de profissionais tão importantes, mostrando o lado humano deles de maneira singela. Parabéns aos jornalistas Carolina Daher e Cedê Silva e muito obrigado a todos os profissionais do Samu.

Washington Estevãm Felix

Fiquei surpresa com a reportagem sobre o Samu. Para mim, a realidade é bem diferente. Todas as vezes que precisei acionar o serviço, o atendimento demorou quarenta minutos. Além disso, sempre fui tratada com desdém. São os profissionais mais arrogantes da saúde e se acham melhores que os das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e dos hospitais. Acham-se muito melhores ainda que os profissionais da atenção básica (palavra de quem presenciou algumas vezes os médicos do Samu destratando colegas dessas outras unidades). É por isso que preferimos acionar os bombeiros, pois tratam os pacientes com respeito.

Clênia Santos

Olimpíada

Gostei muito da reportagem "De malas prontas" (18 de julho). Tenho um filho de 7 anos e acho essencial esse tipo de assunto, que mostra coisas boas, conquistas através do esforço, vitórias no esporte e uma vida saudável.

Dione Ferreira Santos

Roteiro da Semana

Após ler o texto no domingo sobre a apresentação de Ana Botafogo e Carlinhos de Jesus no Arena Chevrolet Hall, fiquei a segunda-feira inteira tentando ligar para a casa de espetáculos (Dança, 18 de julho). Como ninguém atendeu, dirigi-me pessoalmente à bilheteria e fui informado de que todo o setor 1 já havia sido vendido. Fiquei perplexo ao ver que o setor 2 (que fica atrás e estava todo disponível) não está situado em um nível mais elevado e que o local mais parece uma quadra de esportes. Percebi que o Chevrolet Hall oferece um péssimo atendimento e não é um bom local para shows. Infelizmente, o brilhante show do mestre e da diva foi ofuscado pela falta de infraestrutura.

Rodrigo Magalhães Braga

Luis Giffoni

Achei a crônica sobre o nosso pão de queijo maravilhosa ("A personalidade do pão de queijo", 18 de julho). Gostaria de recomendar ao autor o pão de queijo da cidade de Esmeraldas, que é assado na folha da bananeira. Continue valorizando nossas delícias.

Sandra Cury Van Raemdonck

Parabéns pelo delicioso ensaio sobre o nosso pão de queijo. Bom humor e elegância para falar do nosso melhor acepipe. Não é à toa que o cronista (e contista, e romancista) é um dos escritores mais premiados do Brasil.

Ronaldo Guimarães

Excelente a prosa, digo, a crônica da semana. Como as outras, bem mineira. Mas desta vez com o sabor do pão de queijo com cafezinho. E não é que teve até "causo" no estrangeiro?!

Renato Perim

Há algum tempo li sua crônica "Ai de ti, Savassi" (23 de maio). Como moro bem na Rua Pernambuco, venho acompanhando os acontecimentos depois que a praça foi reinaugurada. Além da sinalização confusa que você mencionou, há outro fator que põe em risco a segurança de todos: constantemente, nos quarteirões da minha rua, não há iluminação pública. É uma escuridão terrível, palco ideal para todo tipo de violência e transgressão. Acabo de telefonar e também de escrever à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). Acredito, contudo, que a razão do problema esteja na execução da obra, tendo em vista que na quarta-feira passada alguns técnicos com uniformes diferentes dos da Cemig estavam trabalhando para resolver a questão. E conseguiram, mas por pouco tempo.

Dalva Goretti

Cris Guerra

Outro dia, um texto seu me fez sofrer nos ônibus de BH, ainda que não ande neles. Agora, morro de saudade de dona Juracy, sem ter provado de seu pão quentinho nem de qualquer das suas tantas delícias ("Uma mulher e seus pincéis", 11 de julho). Escreva sempre. A inteligência e a sensibilidade dos leitores precisam de cuidados como os seus.

William Ricardo de Sá

Correção: a médica do Samu retratada na capa da edição de 18 de julho chama-se Ana Paula Linhares.

Escreva para nós

E-mail: vejabh@abril.com.br

Cartas: Avenida do Contorno, 5919, 13º andar, CEP 30110-042, Belo Horizonte, MG

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente.

Envie para Diretor de Redação, Veja BH.

Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (31) 3254-3518

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de Veja BH

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE