A opinião do leitor

A opinião do leitor

- Atualizado em

› EspecialCarnaval bom é assim: na rua e de graça ("Folia para todos", 26 de fevereiro).

Vinicius Alves Teixeira

› SegurançaLugar de policial militar é no patrulhamento ("Elas vão para as ruas", 26 de fevereiro). Os serviços burocráticos deveriam ser feitos por civis admitidos em concurso público.

Roberto Soares

› Belo-horizontina Nota DezAmo as aulas da professora Flávia Rita Coutinho Sarmento (26 de fevereiro). Fico muito feliz por saber que ela consegue mudar a vida não só de estudantes, ajudando-os a passar em concursos públicos, mas também de idosos e crianças carentes.

Gersinha de Oliveira

Como não se orgulhar dessa mulher tão especial? Ser sua aluna faz toda a diferença não só nas provas, mas também na vida.

Vanessa Dutra

Luís GiffoniQue delícia esse texto-conto-crônica ("O bafômetro da solidão", 26 de fevereiro). Um fricassê poético nos contando, com graça e humor, sobre a melancólica condição de ser só. E a essência bailarina da protagonista valsando com leveza sobre a sua desdita. Uma fusão insólita, em que narrador e heroína são uma só pessoa. Adorei.

Maria Balé

Da janela de meu apartamento consigo visualizar a mesma solidão vivida pela senhora da crônica. Triste situação daqueles que um dia viveram como nós, nesta vida tão agitada.

Guilherme Yan

Com essa crônica-parábola, Luís, você reafirma (e, como sempre, muito bem) a verdade de que solidão não é coisa que se resolva de fora para dentro.

Angela Leite de Souza

A solidão pode ser realmente terrível, e existem muitos jeitos de se sentir só. Tem gente que mesmo acompanhada sente um vazio. Procura companhia para fugir do simples fato de que está com tédio. Isso realmente vale a pena?

Maria Fernanda Oliveira

A vida de algumas pessoas é tão vazia que qualquer acontecimento, mesmo sendo "tolo", faz diferença, só para disfarçar a solidão.

Júlia Ribeiro

A crônica é muito realista. Mostra a nossa situação atual, a nossa rotina repetitiva e corriqueira. Quando deparamos com algo diferente, por mais louco que seja, queremos praticá-lo a fim de sair dessa rotina monótona.

Bruno Sathler

Escreva para nós

E-mail: vejabh@abril.com.br

Cartas: Avenida do Contorno, 5919, 13º andar, CEP 30110-035, Belo Horizonte, MG

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula de identidade e o telefone do remetente.

Envie para Diretor de Redação, Veja BH. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Redes sociais: facebook.com/vejabh e @veja_bh (Twitter)

Atendimento ao leitor: (31) 3254-3518

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a fazer refeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de Veja BH

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE