Cultura

Prestes a ser demolido, imóvel emblemático no Funcionários vai virar um caldeirão de artistas locais

Projeto A Alfaiataria transforma antiga casa do alfaiate Hermano em um misto de galeria, loja, bar e sala de aula

Por: Raíssa Pena - Atualizado em

Victor Schwaner/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

Marcelo Blade (de camisa amarela e cartola), Lucas Durães (de paletó cinza) e a turma: caldeirão de talentos locais

Prestes a ser demolido, o imóvel localizado na Rua Santa Rita Durão, número 153, ganha a última página de sua agitada história. Residência do célebre alfaiate Hermano Augusto do Carmo (1933-2013), a casa funcionou também como um dos ateliês mais elegantes da cidade, que recebeu presidentes, governadores e homens de famílias tradicionais da capital para fazer ternos sob medida. Na década de 80, Marcelo Blade, estilista e filho de Hermano, instalou por lá a fábrica de sua marca de roupas, a Blade Runner, e foi anfitrião de famosas festas. A partir deste sábado (14) é a vez de a terceira geração da família inventar moda na casa.

Filhos de Marcelo, o arquiteto Lucas Durães e seu irmão Bruno já são conhecidos entre os moderninhos por ter fundado o espaço de coworking Guajajaras, escritório compartilhado por empresas e profissionais autônomos. Ao saber que o emblemático imóvel do avô havia sido vendido e daria lugar a um prédio em meados de julho, Lucas resolveu aproveitar os últimos meses da casa com uma empreitada inédita na cidade. Chamado de A Alfaiataria, em homenagem a Hermano, o projeto vai transformar o casarão dos anos 50 em uma mistura de galeria de arte, escritório compartilhado, bar, loja de produtos locais e sala de aula.

A escola gaúcha de cursos livres Perestroika e os artistas e coletivos mais cool de Belo Horizonte aderiram à proposta. "Nossa intenção é mostrar que Beagá não é apenas uma metrópole que cria talentos, mas um lugar que produz oportunidades para mantê-los aqui, sem precisar daquela história de se mudar para São Paulo", acredita Lucas.

A casa foi organizada em três espaços cujos nomes remetem a suas funções originais. O Quarto de Prova, por exemplo, será transformado em uma loja de mobiliário e outros produtos selecionados pela galeria QuartoAmado (que também vai organizar exposições de arte a cada quinze dias). O Bar do Murinho, mureta da casa onde Hermano costumava bater papo com os amigos, será ocupado pelos drinques e comidinhas do bar MeetMe At The Yard. E a Fábrica, onde funcionou a Blade Runner, será um espaço multiúso para reuniões, exposições, coworking e cursos de jardinagem e pintura. Ocorrerão ali também os workshops da Perestroika, que vai trazer nomes como o raper MV Bill, o cantor Criolo e o ator e escritor Gregorio Duvivier. Pelo visto, nem só de bares tem vivido a cena cultural de Belo Horizonte.

Como serão os workshops › Mão na TerraJardinagem e paisagismo experimental

Quando: 14 e 28/4

Preço: R$ 250,00

› Mobiliário Feito em Casa

Construção de móveis com poucos recursos e matéria-prima

Quando: 15, 21 e 22/3

Preço: R$ 250,00

› Arte Local

Reflexões sobre ocupação criativa do espaço público

Quando: 28 e 29/3

Preço: R$ 250,00

› Refresh

Curso de inspiração em gestão e liderança (participação de MV Bill)

Quando: 6/4 a 13/5

Preço: 7 x R$ 481,00*

› Yakuza

Processos criativos (participação de Criolo e Gregorio Duvivier)

Quando: 14/4 a 16/5

Preço: 7 x R$ 481,00*

› Fashion Inc

Mercado da moda, e-commerce e pesquisa de tendências

Quando: 25/5 a 1º/7

Preço: 7 x R$ 528,00*

› Tomorrow

Tecnologia e tendências

futuristas de trabalho

Quando: 19 a 23/5

Preço: 7 x R$ 316,00*

Inscrições em www.alfaiataria.cc (paras os três primeiros cursos) e www.perestroika.com.br/cursos/belo-horizonte (para os demais)

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE