Cultura

Com programação eclética, novos centros culturais atraem frequentadores moderninhos

Benfeitoria, Baixo, Quartoamado, Bordô e Eca oferecem de oficinas a festas animadas

Por: Rafaela Matias - Atualizado em

Gustavo Andrade/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

O Benfeitoria: uma mistura de casa de shows, galeria de arte e bar

Cinco endereços abertos nos últimos seis meses ampliaram o conceito de centro cultural na cidade. Há de tudo um pouco no Benfeitoria, no Baixo, no Quartoamado, no Bordô e no Eca: desde oficinas, exposições e apresentações artísticas até festas bem animadas, que são disputadas por um público moderninho. "Procuro mais que boa música e drinques na balada", diz a universitária Maria Beatriz de Castro, umas das frequentadoras do Baixo, no Centro. "Gosto de lugares que também contribuam para uma formação política, que acrescentem algo." Essa é justamente a proposta do pianista Ricardo Matosinho e do biólogo Filipe Guimarães, que abriram as portas do Espaço de Cultura e Arte (Eca) em agosto do ano passado. No centro criado pela dupla, oficinas e workshops são realizados em paralelo às sessões de cinema, exposições, concertos e apresentações de dança. A ideia de reunir diversas formas de manifestações culturais em um único endereço foi inspirada em experiências que Matosinho conheceu na Europa, onde morou por sete meses. "Não sabíamos se a ideia ia colar em Belo Horizonte, mas nos surpreendemos com a aceitação", conta. "Temos sessenta alunos fixos e os ingressos para os eventos que realizamos costumam se esgotar."

Se depender do empenho dos gestores desses cinco espaços, frequentadores como a estudante Maria Beatriz terão muito que ver e fazer em 2015. A agenda de programação para este ano já está cheia de eventos bastante ecléticos. Conheça na página ao lado um pouco da proposta de cada um dos endereços.

Benfeitoria

Inaugurado em novembro do ano passado, o galpão cultural Benfeitoria é uma mistura de casa de shows, galeria de arte e bar. Aberto de quarta a sábado, o lugar promove cursos, workshops, exposições, festivais de gastronomia e sessões de cinema. Espetáculos de teatro, música e dança também fazem parte da programação. O reduto foi idealizado por sete jovens que compartilhavam o mesmo escritório coletivo na Floresta. As iniciativas culturais que promoviam, como uma feira de design e artesanato, faziam tanto sucesso que a casa ficou pequena e foi preciso ampliar o espaço, alugando o galpão de 110 metros quadrados na Rua Sapucaí. A programação pode ser conferida em

www.facebook.com/abenfeitoria.

Baixo

Instalado no mesmo imóvel onde funcionava o conhecido bar Nelson Bordello, no Centro, o Baixo tem apresentações de bandas e DJs de quinta a sábado (a agenda está em www.baixo.org). O valor da entrada varia de 5 a 30 reais. Exposições de arte contemporânea, oficinas e lançamentos de livros e CDs também são realizados no lugar, que, segundo os donos, Gabriel Assad, Mari Campos, Rafael Avelar, Renata Campos, Victor Diniz e Yuri Leite, tem "o melhor quintal da cidade, a rua". É que o movimento diante da porta do Baixo, do lado de fora, costuma ser tão intenso quanto lá dentro.

Bordô

Localizado no bairro São Pedro, o centro é dedicado a cursos de arte e gastronomia para quem busca desenvolvimento criativo em momentos de descontração. Os horários são flexíveis e os alunos podem optar por aulas eventuais ou cursos completos. O material utilizado durante as aulas é vendido lá mesmo, onde também funciona um bar. O espaço, aberto em agosto de 2014, sedia ainda exposições e lançamentos de produtos culturais. Informações: www.artebordo.com.br.

Quartoamado

A ideia do escritor Bernardo Biagioni era criar uma galeria virtual, um endereço onde registrar as intervenções de artistas urbanos daqui. Dois anos depois, porém, o Quartoamado acabou virando um espaço físico para acolher novos artistas plásticos e músicos. "Eles precisavam de um lugar para encontros e debates", diz o fundador. A nova galeria, na Savassi, foi inaugurada em dezembro do ano passado, com a exposição Sismo, da artista plástica Clara Valente. No site www.quartoamado.com é possível encontrar o cronograma dos eventos.

Eca

O Espaço de Cultura e Arte, o Eca, funciona há seis meses em um imóvel de 500 metros quadrados no Mangabeiras. Idealizado pelos sócios Ricardo Matosinho e Filipe Guimarães, o centro realiza aulas de música, línguas estrangeiras e artes plásticas (informações em www.eca.art.br). Há também eventos esporádicos, como o CinEca, com sessões especiais para exibição de clássicos do cinema mudo. O plano é abrir ainda um bistrô no mesmo endereço.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE