Comportamento

Escolas de dança abrem turmas para mulheres que querem voltar às aulas de balé

Por: Paola Carvalho - Atualizado em

Gustavo Andrade/Odin
(Foto: Redação VejaBH)

A artista plástica e estilista Silvana Bretas, de 41 anos: "Eu dançava, mas parei para me dedicar à profissão"

Depois de vinte anos longe do balé, a artista plástica e estilista Silvana Bretas retornou para a barra e arriscou os primeiros passos da dança. Aos 41 anos, trocou os pesos da musculação por pliés e relevés com o propósito de ter uma atividade física prazerosa. "Eu dancei até os 21 anos, quando parei para me dedicar à carreira profissional. Chegou a hora de voltar", diz. Muitas outras mulheres estão fazendo o mesmo caminho. Seja pela procura de exercício, seja como terapia ou para a realização de um sonho antigo, escolas tradicionais - e algumas novatas - abrem cada vez mais horários para aulas que atendam a todos os desejos.

A Centro de Artes Savassi foi inaugurada há menos de um ano, aproveitando a crescente procura. "Recebemos várias ligações por dia, a maioria delas de mulheres que acham que não tem mais idade", afirma a sócia-proprietária, a bailarina e estudante de psicologia Deborah Lopes. As respostas são, ali e em outras escolas, praticamente as mesmas: não há adolescentes na aula nem é preciso usar a saia tchu-tchu, a dança é ensinada desde os primeiros passos, a limitação de cada uma é respeitada e, sim, as salas também têm mulheres gordinhas. "Quem aprendeu quando criança logo se lembra dos passos. E o adulto que está começando pega tudo muito rápido", diz a experiente bailarina Marion Lessa, dona da escola mais antiga da cidade, a Ballet Marion, que funciona há 45 anos.

Os efeitos da dedicação ao balé são muitos, destaca o diretor da Corpo Escola de Dança, o bailarino Fernando de Castro. "Ele melhora a força muscular, a flexibilidade e a postura, além de trabalhar disciplina e espírito coletivo", diz. Ali, amadores se revezam com profissionais do grupo que faz sucesso nos palcos dos grandes teatros brasileiros. Nas aulas, elementos do balé clássico se misturam com os da dança contemporânea. O aquecimento pode começar ao som do compositor russo Tchaikovsky, e a última coreografia encerrar ao ritmo de mangue beat, hip-hop ou forró. Por causa da diversidade proporcionada, as escolas costumam oferecer - e vale a pena fazer - uma aula experimental gratuita (veja abaixo)

Depois de quinze anos acompanhando a filha, a administradora Denise Frade, de 54, fez o primeiro teste de balé clássico há dois meses e não quer mais parar. "Eu era rata de academia, mas achei a aula mais relaxante, com música agradável, sem a correria da garotada", afirma. Duas vezes por semana, às 7h30, ela veste meia-calça, collant e sapatilhas para o treino. O desafio maior, segundo Denise, vem na hora de trocar a sapatilha básica pela de ponta. "Quando consegui equilíbrio e força para ficar na ponta do pé, parecia uma criança. Achei o máximo", lembra. A aluna de uma sala de oito senhoras bailarinas não vislumbra o palco dos grandes teatros, mas quer ser personagem principal da realização de um sonho. "Não existe idade para derrubar preconceitos e seguir em frente."

Classes para adultos

Ballet Marion

Rua Antônio de Albuquerque, 252, Savassi, e Rua Montes Claros, 1052, Anchieta, ☎ 3221-5155 e 3223-4951.

Duas vezes por semana.Às 18h40 e 19h40. Mensalidade: R$ 170,00.

Centro de Artes Savassi

Avenida do Contorno, 6399, Savassi, ☎ 2531-0799.

De uma a três vezes por semana. Às 8h, 14h45, 18h30 e 20h. Mensalidade: a partir de R$ 150,00.

Centro Artístico de Dança

Rua Marília de Dirceu, 226, pilotis, Lourdes, ☎ 3335-7912.

Duas vezes por semana. Às 7h30 (seg. e qua., ter. e qui.) e 21h (ter. e qui.). Mensalidade: R$ 250,00.

Corpo Escola de Dança

Avenida Bandeirantes, 866, Mangabeiras, ☎ 3221-7701.

Duas vezes por semana. Às 20h30 (seg. e qua.) e 20h (ter. e qui.). Mensalidade: R$ 280,00.

Oficina da Dança

Avenida Professor Mário Werneck, 1175, Buritis, ☎ 3377-2829.

Duas vezes por semana. Às 9h, 10h15, 18h30 e 19h30 (seg. e qua.); 10h30, 17h, 18h30 e 20h30 (ter. e qui.). Mensalidade: R$ 209,00.

Wanda Bambirra

Rua Uruguai, 473, Sion, ☎ 3281-2633.

Duas vezes por semana. Às 7h30 (ter. e qui.). Mensalidade: R$ 230,00.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE