Entretenimento

VEJA BH foi conferir a pontualidade de trinta shows e peças de teatro: 80% atrasaram

Espetáculos da cidade dificilmente começam no horário e público mineiro não entra na hora

Por: Paola Carvalho - Atualizado em

Pierre Refalo
(Foto: Redação VejaBH)

Os músicos do Teatro Mágico: show no Chevrolet Hall iniciado vinte minutos após o previsto

Ocupar um lugar, esperar as cortinas se abrir pontualmente e não mais ser incomodado. Deveria ser assim, mas nem sempre aguardar por um espetáculo é experiência tão agradável. Entre o dia 20 de maio e a terça-feira passada, a equipe de reportagem de VEJA BH registrou os horários de início de trinta shows musicais e apresentações teatrais realizados em Belo Horizonte - do total, 80% começaram com algum atraso, e em boa parte desses o público foi obrigado a aguardar além do tempo tolerável, de dez minutos (veja abaixo). Se, de um lado, é o artista que não sobe ao palco, de outro, quem diz que o mineiro não perde o trem? Observou-se que os espectadores também não estão atentos ao relógio, pois chegaram tarde a 87% dos espetáculos.

O baixista americano Stanley Clarke começou seu show no dia 28, no Sesc Palladium, na hora marcada: 20h30. A plateia, contudo, levou vinte minutos para ocupar os lugares. "Nosso público ainda está se habituando ao rigor internacional", afirma o produtor Aluizer Malab, responsável pela vinda do cantor e pianista Elton John, que fez jus à pontualidade britânica. Recentemente, em sua apresentação no Mineirinho, o violinista André Rieu reclamou em alto e bom som da impontualidade mineira. "Eu trouxe uma surpresa holandesa para vocês (apontando para o pulso): um relógio." Para a coordenadora de eventos do Conservatório UFMG, Isadora Boucheville, quinze minutos não é atraso, e sim tolerância. "Acontece de o músico pedir para esperar a família, outras vezes a gente aguarda a plateia encher mais", diz. "Nunca ninguém reclamou."

O desrespeito com quem chega no horário cria um círculo vicioso em que as pessoas, certas do atraso nas produções locais, não fazem questão de ser pontuais. Situação que piora nos espetáculos infantis, já que as crianças ficam agitadas enquanto aguardam. O diretor, produtor e ator Luiz Henrique Moura, das peças Divas no Divã e Velório à Brasileira, considera que são necessárias três fases para que haja equilíbrio entre todos os lados. "Primeiro, começar sempre na hora anunciada. Depois, uma campanha educativa. Por último, fechar as portas após o início do espetáculo." Se todos fizessem a sua parte, isso nem seria preciso.

Desrespeitoso público

• Na peça infantil Cadê Todo Mundo? V2.0, no Teatro João Ceschiatti, do Palácio das Artes, pais chegaram com suas crianças 36 minutos após a hora marcada, atrapalhando a concentração dos artistas e de quem respeitou o relógio.

• No show do cantor Milton Nascimento, o primeiro sinal foi dado e as pessoas continuaram bebendo espumante e cerveja na entrada do Grande Teatro do Palácio das Artes. Depois de 28 minutos, ainda havia gente perguntando por seus lugares, pedindo passagem e incomodando.

• Na apresentação dos músicos Annete-Barbara e Maurício Veloso, no Conservatório UFMG, um casal, 19 minutos atrasado, esperou os aplausos para poder entrar na sala. Menos mau.

Relógio desregulado

Veja os espetáculos acompanhados pela reportagem

6 atrações foram pontuais

• Big Band Palácio das Artes

• Concertos para a Juventude - Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

• Coral Cidade dos Profetas

• Orquestra Filarmônica de Minas Gerais - Série Vivace

• Recital de Alunos do Cefar

• Show de Stanley Clarke

8 deram a largada com até 10 minutos de atraso

• Adultérios e Outras Pequenas Traições

• Cadê Todo Mundo? V2.0 (dia 2)

• Histórias por Telefone

• Pizindin Choro no Palco

• Segunda Musical, com Victor Nigri e Nabila Dandara

• Segunda Musical, com Guilherme Vincens

• Sereias da Zona Sul

• Show de Milton Nascimento

15 começaram com atraso de 11 a 20 minutos

• Adélia

• Cadê Todo Mundo? V2.0 (dia 25)

• Cartas Portuguesas

• Chapeuzinho Vermelho

• Concertos Didáticos FEA, com Annete-Barbara e Maurício Veloso

• Divas no Divã

• Neuróticos Não Anônimos

• No Se Puede Vivir sin Amor

• O Rei Careca

• Pluft, o Fantasminha

• Show de Felipe José

• Show de Gal Costa

• Show de Roberto Carlos

• Show do Teatro Mágico

• Três Porquinhos

1 show, Mistura Minas - Affonsinho Convida Celso Fonseca, começou mais de 20 minutos depois da hora marcada

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE