Cinema

Longa Bem Amadas aborda de maneira íntima a história de uma mãe e sua filha

Dirigido por Christophe Honoré, filme francês conta com Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni no elenco

Por: Miguel Barbieri Jr. - Atualizado em

Avaliação ✪✪✪✫✫

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni: em família na vida real e na ficção

Realizador de longas-metragens polêmicos, como o inédito Ma Mère (2004), o diretor francês Christophe Honoré poderia ter a carreira abalada em razão de seu penúltimo filme. Homme au Bain (Homem no Banho), exibido apenas no Festival Mix Brasil em 2010, era uma inconsequente mistura de homoerotismo e verborragia estrelada pelo ator de fitas pornôs François Sagat. O prestígio de Honoré, porém, vai além de suas provocações banais. Comportadinho e de volta ao terreno dos dramas familiares (a exemplo de Em Paris e Não, Minha Filha, Você Não Irá Dançar), o cineasta conseguiu dar a volta por cima em sua oitava produção, Bem Amadas, que estreia na cidade nesta sexta (24). A narrativa, por vezes vacilante, abarca mais de quarenta anos de história, indicando a pretensão cada vez maior do cineasta. Com início em 1964, a trama mostra o dia a dia de Madeleine (Ludivine Sagnier). Funcionária de uma loja de sapatos chiques em Paris, ela vira prostituta por acaso, apaixona-se por um cliente checo e vai morar com ele em Praga. Quatro anos depois, descobre que foi traída e pega a filha pequena, Véra, para retornar ao seu país. O roteiro salta para 1978, vai a 1994, chega a 2001 e estaciona em 2007. Na fase madura, Madeleine ganha as formas da diva Catherine Deneuve e Véra é interpretada por Chiara Mastroianni. Por serem mãe e filha na vida real, elas dão carisma extra às personagens.

Honoré quase perde o freio quando aborda fatos contemporâneos — como a epidemia de aids e o atentado ao World Trade Center. Seu trunfo está na maneira íntima e autoral do registro de duas gerações. Enquanto Madeleine, feliz à moda dela, se mostra à frente de seu tempo, Véra, descontente, vê-se presa a um amor platônico por um músico gay inglês. Para exprimirem seus sentimentos, as protagonistas soltam a voz nas canções de Alex Beaupain. Corpo estranho ao drama, a cantoria tem saldo ao gosto do freguês e, assim, pode agradar à plateia ou irritá-la.

Bem Amadas, de Christophe Honoré (Les Bien-Aimés, França/Inglaterra/República Checa, 2011, 139min). 16 anos. Belas Artes 1.

Mais:Programação de cinema para os dias 24 a 30 de agosto

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE