Crianças

Programação infantil para período entre 06 a 12 de setembro

- Atualizado em

› CINEMA✪✪✪ O que Será de Nozes?

✪✪✪ As Tartarugas Ninja

› ESPECIAL

Oficina de Audiovisual

Em parceria com o Festival Saci (Sociabilização, Arte e Cultura na Infância), o Museu das Minas e do Metal vai oferecer uma oficina gratuita de técnicas básicas em audiovisual no domingo (14). O curso vai ensinar a meninada de 8 a 12 anos a fazer um vídeo de três minutos baseado na questão "o que queremos para um mundo melhor?". As inscrições devem ser feitas pelo site www.festivalsaci.com.br ou pelo ☎ 3227-7331.

MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal. Praça da Liberdade, s/nº, Funcionários (Prédio Rosa). Funcionamento do museu: terça a domingo, 12h às 18h; quinta, 12h às 22h. Oficina de Audiovisual: domingo (14), 15h às 17h. Grátis.

Natura Musical

O festival de música para gente grande (leia mais em Veja BH Recomenda, pág. 5) vai oferecer pela primeira vez uma programação exclusiva para os pequenos. No domingo (14), um palco montado na Praça da Liberdade contará com apresentações da cantora Érika Machado (10h), do Grupo Giramundo com o espetáculo Pedro e o Lobo (11h15), da matinê Discobaby, que será comandada pelos DJs Anderson Noise e Daniel Cozta (14h30), e da banda Pequeno Cidadão (16h30). O evento é aberto e não exige retirada de ingresso. Livre.Praça da Liberdade, Funcionários. Domingo (14), a partir das 10h. Grátis.

› TEATRO

✪✪ A Maior Flor do Mundo

O texto é para crianças, mas foi concebido por um premiado autor de gente grande. A Maior Flor do Mundo é o único livro infantil do escritor português José Saramago (1922-2010), Nobel de Literatura em 1998. Adaptada para o teatro pelo mineiro Sérgio Abritta, a obra deu origem ao espetáculo homônimo que estreou na cidade em 2002. Um menino é incumbido da missão de salvar a maior flor do mundo e, assim, resguardar sua aldeia de acontecimentos terríveis. No entanto, para levar as gotas de fertilidade à tal flor, o corajoso garoto precisa enfrentar uma série de inimigos, como o Dragão da Poluição, a Ninfa de Três Cabeças, a Múmia Egoísta e o Gigante Vaidoso. Os monstrinhos, inseridos no enredo por Abritta, ajudam a tratar de questões ambientais e morais. Apesar do esforço, o elenco escorrega em coreografias simples e na hora de dublar algumas canções (60min). Livre.

Teatro da Biblioteca Pública (220 lugares). Praça da Liberdade, 21, Funcionários, ☎ 3227-4472. Sábado e domingo, 16h30. R$ 20,00/postos Sinparc, R$ 10,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Até dia 21.

Pluft, O Fantasminha

Há dez anos em cartaz no Brasil, a montagem traz de volta ao papel-título a atriz Cláudia Abreu (sim, a talentosa atriz global). Escrito pela belo-horizontina Maria Clara Machado, o clássico infantil conta a história do simpático fantasminha que morre de medo de gente e vive em um sótão com sua mãe (Renata Amaral), que faz pastéis de vento, e seu tio Gerúndio (José Lavigne), que passa o tempo todo dormindo dentro de um baú. A tranquilidade do trio é abalada pela chegada do pirata Perna-de-Pau (Thelmo Fernandes), que faz refém a linda menina Maribel (Miriam Freeland). O elenco estrelado fará quatro apresentações no Teatro Sesiminas (55min). Rec. a partir de 3 anos.

Teatro Sesiminas (660 lugares). Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia, ☎ 3889-2003. → Sábado (13), 16h e 18h; domingo (14), 15h e 17h. R$ 80,00. Bilheteria: 13h/19h todos os dias. IR.

Os Três Porquinhos

O clássico conto infantil ainda encanta gerações e está em cartaz na cidade há vinte anos. Para fugir do Lobo Mau, os três irmãos constroem casinhas de palha, madeira e tijolos. A cena em que o lobo persegue os porquinhos pela plateia costuma animar o público. Direção de Roberto de Freitas (50min).

Teatro Nossa Senhora das Dores (219 lugares). Avenida Francisco Sales, 77, Floresta, ☎ 3226-9459. Neste sábado (6) e domingo (7), 16h30. R$ 32,00/postos Sinparc, R$ 15,00. Bilheteria: os ingressos podem ser retirados uma hora antes do espetáculo.

A Vaquinha Lelé

A protagonista é uma simpática vaquinha que sonha em viajar pelo mundo. Com facilidade para fazer amizades, ela acaba conhecendo outros curiosos personagens, como uma galinha que está sempre cansada, um pardal animado e uma cigarra com a autoestima, digamos, bastante elevada. Direção de Cláudio Castanheira e Fernando Veríssimo (50min). Livre.

Teatro Marília (256 lugares). Avenida Alfredo Balena, 586, Centro, ☎ 3277-4697. → Sábado e domingo, 16h30. R$ 30,00/postos Sinparc, R$ 15,00. A bilheteria abre uma hora antes do espetáculo. Até domingo (14).

A Zeropeia

Numa carreira dedicada a combater problemas que dão nó na garganta, como a fome mundial, o sociólogo Herbert de Souza (1935-1997), o Betinho, teve tempo e a delicadeza de escrever para as crianças. O conto A Zeropeia, lançado em 1999, também trata de um assunto sério, mas tem a leveza das fábulas. Baseada no texto original, a montagem conta a história de Dona Centopeia, que era motivo de piada na floresta por causa de sua, digamos, abundância de patinhas. Ao ver que os outros bichos viviam bem com menos pernas, ela começa a amarrar as patinhas até ficar sem nenhuma. No fim das contas, em uma reflexão sobre autoestima e tolerância, a protagonista descobre que o melhor é ser ela mesma (50min). Livre.

Teatro Sesi Holcim (115 lugares). Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia, ☎ 3241-7181. → Sábado e domingo, 16h e 17h30. R$ 30,00/postos Sinparc, R$ 15,00. Bilheteria: todos os dias, das 13h às 19h, e no dia do espetáculo até a hora da apresentação. Até domingo (14).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE