Perfil

Aos 28 anos, mineiro Tallis Gomes colhe o sucesso do aplicativo Easy Taxi

Empresário é considerado uns dos jovens mais influentes no Brasil e referência para empreendedores que querem se dar bem no mundo da tecnoologia

Por: Ivana Moreira - Atualizado em

Gomes, fundador da Easy Taxi: "Ideias valem 10 centavos a bacia. O importante é saber executá-las"

Tallis Gomes não gosta de ser chamado de guru dos nerds. Mas ele é, sim. Basta acompanhar uma de suas palestras para testemunhar o fascínio que o mineiro de Carangola, com recém-completados 28 anos, exerce sobre jovens empreendedores, especialmente aqueles dedicados à inovação tecnológica. Na noite do último dia 26, o auditório do Sebrae Minas, no Nova Granada, estava lotado para a apresentação do rapaz que fundou a Easy Taxi, a startup que conecta 400 000 motoristas de táxi e quase 18 milhões de passageiros, em 33 países, usando smartphones. Gomes começou a falar por volta das 19h30. Quase duas horas depois, quando terminou sua apresentação, apenas um casal havia deixado o lugar, poucos minutos antes. Assim que ele desceu do palco, já havia se formado uma fila de interessados em pedir conselhos.

"Ele parece o mais júnior do time, mas já conseguiu fazer uma coisa extraordinária", diz Fábio Veras, diretor técnico do Sebrae Minas. Vestindo uma camiseta branca com os dizeres "I believe in good people" (Eu acredito em pessoas boas) e calça jeans, o palestrante - considerado um dos trinta jovens mais influentes do país pela revista Forbes - não tinha mesmo pinta de ser o empresário de sucesso que de fato é, dono de 8% de uma multinacional cuja avaliação chega perto de 1 bilhão de reais, segundo fontes do mercado. E que acaba de abrir mais uma companhia, a eGenius, uma "fábrica de startups" que pretende lançar cinco negócios neste ano. O primeiro deles foi inaugurado recentemente: trata-se do Easy Carros, um aplicativo que conecta donos de automóveis e prestadores de serviço que fazem lavagem ecológica de veículos, usando apenas 350 mililitros de água, no lugar onde o cliente estiver. "O potencial da eGenius é ainda maior que o da Easy Taxi", acredita.

Filho de um policial militar e de uma cabeleireira que se separaram pouco depois de seu nascimento - e criado pela avó empregada doméstica e por seu padrinho, que era patrão dela -, Gomes sempre foi uma criança inquieta, dessas que deixam os professores enlouquecidos na sala de aula. "Ele me dava o maior trabalho, não queria saber de estudar, eu vivia sendo chamada na escola", lembra a avó, Anita Gomes. Na adolescência, Gomes começou a canalizar sua energia para o mundo dos negócios. O estímulo inicial foi o desejo de comprar uma bateria para sua banda, a Tráfico de Rock. Numa época em que não havia lojas de celulares em Carangola e poucos moradores costumavam navegar pela internet, ele viu nos sites de venda on-line uma oportunidade de ganhar dinheiro. Imprimia as ofertas de aparelhos, alterava os preços para ter uma margem de lucro e saía mostrando seu "catálogo" pela cidade. Quando fechava uma venda, corria para o computador a fim de fazer a encomenda. Ele estava com 14 anos. Em poucos meses conseguiu comprar o instrumento. Logo depois, uma moto. "Eu sempre fui bom de vendas", orgulha-se. Precoce, ele se tornou pai aos 16 anos - a filha Thaís tem hoje 11 anos. E assim descobriu que precisava conquistar a independência financeira: mu­dou-se sozinho para Juiz de Fora. Após concluir o ensino médio, em 2005, foi para o Rio de Janeiro estudar publicidade.

Antes de fundar a Easy Taxi, Gomes abriu dois outros negócios de base tecnológica (a E-Spartan, uma empresa de promoções em redes sociais, e o Curta Ofertas, um site de descontos) que acabaram não decolando. A ideia para o empreendimento que viria a mudar sua vida surgiu numa madrugada chuvosa, depois de passar muita raiva ligando para cooperativas de táxi sem conseguir um carro que o pegasse na Barra da Tijuca, no Rio. O plano foi apresentado em uma competição de projetos de startups e ficou apenas em quarto lugar. Mas, graças à determinação do rapaz e dos três sócios que ele atraiu para a empreitada, acabou despertando o interesse da alemã Rocket Internet. Em parceria com outros três fundos de investimento estrangeiros, a Rocket colocou 170 milhões de reais na Easy Taxi.

"O Tallis pensa grande e tem uma capacidade de executar os planos como poucas pessoas que eu conheço no Brasil", elogia Gustavo Caetano, o fundador da Samba Tech, empresa belo-horizontina de vídeos on-line. "Não é fácil acompanhá-lo", diz o executivo Dennis Wang, que assumiu o comando da Easy Taxi no fim do ano passado, depois que o mineiro se afastou do dia a dia da empresa para se dedicar a suas novas ideias. Hiperativo, com diagnóstico confirmado há dois anos, o rapaz, que hoje mora em São Paulo, não costuma trabalhar menos de catorze horas por dia. Ele abriu pessoalmente boa parte dos escritórios internacionais da Easy e passou os últimos dois anos pulando de país em país, por culturas tão distintas quanto a da Guatemala e a da Coreia. Seu passaporte comprova: foram mais de quarenta países. Quando não está abrindo portas para sua companhia, está palestrando. Na lista dos convites que recebeu para contar sua impressionante história, há desde os de megacorporações como a Samsung até os de instituições financeiras como o Banco Mundial.

Em palestra no Sebrae Minas, no último dia 27, e em 2011, com os sócios Daniel Cohen, Vinicius Gracia e Márcio William, em reunião no Rio: "Sempre fui bom vendedor"

Gomes sabe bem o valor dos relacionamentos que vem fazendo pelo mundo. "Poder vale muito mais do que dinheiro", diz, citando uma das falas de Frank Underwood, o protagonista de sua série favorita, House of Cards. Ele passou várias madrugadas insone até assistir a todos os episódios - para desespero da namorada, a advogada belo-ho­rizontina Barbara Belloni, com quem está há quatro meses. Embora se vanglorie de nunca ter tido dificuldade com mulheres, só agora é que está levando um namoro a sério. "Acho que é porque ela gosta desse mundo dos negócios tanto quanto eu." Os inúmeros jantares com empresários que ocupam sua agenda não são tormento para a moça. Conhecer bons restaurantes - um dos seus preferidos é o D.O.M., do chef Alex Atalla - tem sido um dos seus programas mais frequentes, um jeito de unir trabalho e lazer. "Restaurantes e vinhos são meus únicos luxos", afirma. "Eu sou 'zero material'."

Desde 2010, quando teve de vender seu Gol com dois anos de uso para investir na Easy Taxi e costumava ter macarrão instantâneo como refeição quase todos os dias, o mineiro viu seu padrão de vida mudar muito. Como sócio e principal executivo da empresa, ganhou dinheiro suficiente para viver com bastante conforto e adquirir seus sonhos de consumo. Prefere, no entanto, não extrapolar nas despesas. O Audi Turbo, que está na garagem do prédio onde mora, nos Jardins (e que não sai muito de lá porque ele, claro, gosta mesmo é de andar de táxi), foi das poucas exceções que se permitiu. A maior parte do que ganhou, Gomes investiu na eGenius. "O dinheiro é importante, mas não é o que me move", diz. "Encontrar com um taxista que passou a ganhar 40% mais, trabalhando menos horas, depois que começou a usar o nosso aplicativo, isso sim me interessa."

Gomes, que aprendeu a falar inglês e espanhol estudando pela internet, diz que ser dono de uma multinacional era seu sonho desde a infância, em Carangola. "Ele nunca quis saber de trabalhar, só queria mandar", brinca o pai, Cláudio Nicolau, que mora em Ipatinga. Na semana passada, ele veio a Belo Horizonte para assistir, pela primeira vez, a uma palestra do filho. "É emocionante ver tudo que conseguiu construir sozinho." Para o pai e para a plateia que o assistia, o guru dos nerds deixou várias dicas baseadas em sua rica experiência. A principal delas: "Ideias valem 10 centavos a bacia", como lhe dizia seu falecido padrinho. "O que importa é saber executá-las." Isso ele já provou que sabe fazer. E bem.

Negócios mundo afora

Fundada em 2011, a Easy Taxi exibe números que impressionam o mercado

33 é o número de países onde o aplicativo pode ser utilizado

420 cidades são atendidas nesses países

1 300 funcionários estão espalhados pelos escritórios da empresa

400 000 taxistas estão cadastrados na base do aplicativo

18 milhõesde passageiros utilizam o aplicativo para localizar um táxi

170 milhõesde reais é valor total do investimento feito na empresa por quatro fundos estrangeiros

1

bilhão de reais é a avaliação atual da empresa, segundo fontes do mercado

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE