Exposições

Fotografia é a protagonista das duas grandes estreias de BH

Exposições no CCBB e no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia revelam olhar histórico sobre o Brasil e curioso com o exterior

Por: Raíssa Pena - Atualizado em

Reprodução
(Foto: Redação VejaBH)

Fotos de Tuca Vieira (à esq.) e de Dimas Guedes (à dir.): registros históricos do Brasil e do mundo

Na quarta (26), dois dos principais espaços expositivos da cidade abrem novas mostras. O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) traz Um Olhar sobre o Brasil - A Fotografia na Construção da Imagem da Nação, e o Centro de Arte Contemporânea e Fotografia (na Praça Sete) apresenta a retrospectiva Um Mesmo Olhar - Fotografia de Dimas Guedes. Na mostra do CCBB estarão reunidos mais de 300 registros históricos do país capturados entre 1833 e 2003 por mestres como Marc Ferrez e Augusto Stahl. Já a exposição sobre Dimas Guedes vai exibir cinquenta imagens da carreira do fotógrafo mineiro. Organizada por seu filho, João Paulo Dumans Guedes, a retrospectiva está dividida em duas frentes: uma com fotos de Ouro Preto, Mariana e arredores, e outra com cenas curiosas de cidades estrangeiras.

Centro Cultural Banco do Brasil. Praça da Liberdade, 450, Funcionários, ☎ 3431-9400. → Quarta a segunda, 9h às 21h (fecha às terças). Grátis. Até 28 de abril. A partir de quarta (26); Centro de Arte Contemporânea e Fotografia. Avenida Afonso Pena, 737 (Praça Sete), Centro, ☎ 3263-7400. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 6 de abril. A partir de quarta (26).

Exposições: programação para os dias 22 a 28 de fevereiro

› ESTREIA

50 Gramas de Copo

Além de estar presente na Instalação in Progress - Galeria de Arte Piolho Nababo (em cartaz no Palácio das Artes), Warley Desali divide uma mostra na Aliança Francesa com Manuel Carvalho. As doze pinturas expostas não partem de um conceito homogêneo. 50 Gramas de Copo é um amálgama de estilos, técnicas e maneiras distintas de cada artista enxergar o cotidiano.

Salão Cultural da Aliança Francesa de Belo Horizonte. Rua Tomé de Souza, 1418, Savassi, ☎ 3291-5187. Segunda a quinta, 8h às 21h; sexta e sábado, 8h às 16h. Grátis. Até 12 de abril. A partir de terça (25).

› ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪ Acervo da Galeria Celma Albuquerque

A galeria segue renovando a exposição permanente de seu acervo. Entre os nomes estão os badalados Nuno Ramos, Alan Fontes, Maria Lynch, Rochelle Costi e Marco Paulo Rolla.

Celma Albuquerque Galeria de Arte. Rua Antônio de Albuquerque, 885, Lourdes,☎ 3227-6494. Segunda a sexta, 9h às 19h; sábado, 9h30 às 13h. Grátis. Até sexta (28).

✪✪✪ Flávia Bertinato

Entre 2008 e 2010, a artista mineira fotografou, em São Paulo, cerca de 100 pessoas que parecem adormecidas. Só parecem mesmo, já que, apesar de muitas estarem na própria cama e de olhos fechados, têm consciência de que se trata da construção meticulosa de uma cena. Os convidados são amigos próximos de Flávia, artistas, ex-namorados e até - nas palavras da fotógrafa - companheiros de balcão de padaria. As locações das imagens variam entre as residências dos personagens, parques públicos, galerias de arte e a casa da artista.

Celma Albuquerque Galeria de Arte - Mezanino. Rua Antônio de Albuquerque, 885, Lourdes, ☎ 3227-6494. Segunda a sexta, 9h às 19h; sábado, 9h30 às 13h. Grátis. Até este sábado (22).

✪✪✪ Manuel Carvalho

Ele faz parte da boa safra de artistas visuais que têm ganhado notoriedade na cidade (e fora dela), como os talentosos Rodrigo Mogiz, Augusto Fonseca, Leonora Weissmann e Daniel Bilac. Como seus colegas, Manuel é um pintor que retrata a figura humana com sensibilidade e muitas cores. Na mostra Da Pintura são apresentadas as séries Anacolutos, Empate e algumas pinturas inéditas criadas para esta exposição. Em Anacolutos, ele se apropriou de fotografias de anônimos do início do século XX, reproduziu-as em preto e branco e, por cima, fez interferências em cor. Uma espécie de caos planejado emana da série Empate, que traz composições cheias de personagens, padronagens, elementos abstratos, camadas espessas e finas de tinta.

Galeria de Arte do BDMG Cultural. Rua Bernardo Guimarães, 1600, Lourdes,☎ 3219-8691. Todos os dias, 10h às 18h. Grátis. Até este domingo (23).

E o que Temos para o Almoço?

Referência nacional quando o assunto é perfomance artística, Marcos Hill e Marco Paulo Rolla estão juntos em nova empreitada: o projeto E o que Temos para o Almoço?, na Funarte. A mostra reúne trabalhos concebidos durante os catorze anos de funcionamento do Centro de Experimentação e Informação de Arte, dirigido por eles. Quem não está familiarizado com o universo da arte contemporânea não precisa ter medo nem torcer o nariz. "Quanto menos informação o visitante tiver sobre o assunto, mais aberto ele estará à experiência sensorial", garante Rolla.

Funarte. Rua Januária, 68, Floresta,☎ 3213-7112. Exposição: terça a sexta, 13h às 21h. Performances: confira aqui a programação. Grátis. Até quarta (26).

› EM CARTAZ

Eduardo Fonseca

Ele conta que virou tesoureiro do diretório acadêmico de sua faculdade sem planejar. Em 2010, novamente por acaso, partiu para um mestrado em Lisboa justamente quando uma grave recessão abalava o país. De volta ao Brasil, no ano passado, encontrou a capital mineira tomada pelos protestos de junho. Eduardo Fonseca percebeu então que não conseguiria mais separar sua arte do contexto político. Em uma das três vezes em que caminhou com os manifestantes até o Mineirão, o artista pon­te-novense fotografou personagens curiosos na Avenida Antônio Carlos. Essas imagens serviram de base para a impactante série de catorze telas a óleo que integram a mostra Não É Nada Disso que Você Está Pensando!.

AM Galeria de Arte. Rua Cláudio Manoel, 155, loja 4, Funcionários, ☎3223-4209. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 13h30. Grátis. Até 15 de março.

✪✪✪ Improvável

+ Exposição Improvável reúne o trabalho de cinco artistas brasileiros

Palácio das Artes - Galeria Genesco Murta. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 13 de abril.

✪✪ Instalação in Progress - Galeria de Arte Piolho Nababo

O mestre de cerimônias deste leilão usa óculos escuros, uma peruca sintética e uma marreta vermelha estilo Chapolin Colorado. De pé ou sentados no chão, os compradores tentam arrematar as obras na base do grito e ao som de rock das antigas. Realizado desde 2011 pelo coletivo Piolho Nababo, o irreverente Leilão de Arte R$ 1,99 faz a plateia delirar e põe em circulação uma safra novíssima da arte contemporânea mineira. Funciona assim: os interessados podem levar trabalhos de qualquer gênero (pintura, desenho, gravura, fotografia) para ficar em exposição até 8 de março na mostra Instalação In Progress. Nesse dia, às 19h, as peças serão oferecidas no pregão, que começa obrigatoriamente com um lance de R$ 1,99.

Palácio das Artes - Espaço Mari'Stella Tristão. Exposição e inscrição de trabalhos: terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Leilão: 8 de março, 19h. Grátis. As obras não arrematadas ficam expostas até 12 de março.

✪✪✪ O Jardim de Adelícia - Adelícia Amorim e Outros Contemporâneos

Dona Adelícia é uma das mais respeitadas bordadeiras do Estado. Ainda menina e inspirada pelos ricos jogos de cama da fazenda onde cresceu, ela aprendeu sozinha a bordar flores. Aos 78 anos, segue em intensa atividade e produziu nos últimos cinco anos a maioria das peças da mostra. Ao lado de suas singelas composições encontram-se obras de cinco jovens e talentosos artistas que se destacam pelo trabalho manual: Ana Luísa Santos, Janaína Mello, Julia Panadés, Rachel Leão e Rodrigo Mogiz. Ao misturar produções da mestra e dos aprendizes, a exposição evidencia que gerações com histórias de vida e preferências estéticas tão diferentes estão unidas pela delicadeza. Fãs do bordado tradicional vão se encantar com o acabamento primoroso de Adelícia e os mais moderninhos se surpreenderão com a força das peças de Rodrigo Mogiz.

Sesc Palladium - Galeria de Arte GTO. Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, ☎ 3214-5350. → Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 30 de março.

✪✪✪ Lorenzato Amadeo - Celebração do Cotidiano

Filho de imigrantes italianos, Amadeo Lorenzato (1900-1995) nasceu na região do Barreiro e, antes de completar 10 anos, já trabalhava como pintor de paredes - ofício que exerceu até a maturidade. Em 1956, uma queda o impediu de seguir no ramo da construção civil e o incentivou a "pintar o que desse na telha", como ele costumava dizer. Suas telas, que retratavam singelas paisagens urbanas e personagens comuns, caíram no gosto de galeristas e de colegas ilustres, como Amilcar de Castro, nos anos 60. A mostra conta com pinturas, esculturas e objetos de seu ateliê que hoje pertencem ao acervo do colecionador Antônio Carlos Figueiredo.

Centro de Arte Popular Cemig. Rua Gonçalves Dias, 1608, Funcionários, ☎ 3222-3231. → Terça, quarta e sexta, 10h às 19h; quinta, 12h às 21h; sábado e domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 9 de março.

✪✪✪ Mayana Redin

Na mostra A Borda o Risco o Mundo: Experimento #2, a artista paulista apresenta desenhos, instalações, vídeos e objetos que investigam a origem do universo e a evolução do planeta. Mayana investiga a presença da cosmologia em situações banais como nomes de edifícios ("Mercúrio", "Netuno", "Via Láctea"), mapas, cartões-postais e até no movimeto de um inseto ao redor de uma lâmpada. No chão, ao lado da instalação com os nomes galáticos dos prédios, há uma pilha de pôsteres com a localização real desses edificíos em Belo Horizonte. Cada visitante pode levar um exemplar para casa.

Palácio das Artes - Galeria Arlinda Corrêa Lima. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 13 de abril.

Wilton Montenegro

"A estrela de minha exposição é a arte contemporânea. Volta para vocês o que vocês me deram." A declaração de Montenegro explica, com certa modéstia, que sua obra só é possível a partir do trabalho de outros artistas. Há trinta anos o fotógrafo registra ateliês, processos criativos, pinturas, performances e instalações dos mais importantes nomes da arte brasileira, como Cildo Meireles, Tunga e Franz Weissmann (1911-2005). Seu olhar sensível não apenas documenta um objeto ou situação artística, mas também altera a experiência do espectador e o significado da obra original. Na mostra Fotografia: Trans-criação, Difusão e Preservação da Memória da Arte Contemporânea serão exibidas cerca de 200 fotos em ampliações e projeções.

Oi Futuro - Galeria 1. Avenida Afonso Pena, 4001, Mangabeiras, ☎ 3229-3131. Terça a sábado, 11h às 21h; domingo, 11h às 19h. Grátis. Até 13 de abril.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE