Exposições

Programação de exposições para o período entre 10 e 16 de maio

- Atualizado em

› ESTREIA

Orlando Lemos Galeria

Neste sábado (10), a casa inaugura quatro individuais de artistas mineiros. O experiente Fernando Cardoso apresenta desenhos e os três jovens Manuel Carvalho, Warley Desali e Randolpho Lamonier exibem pinturas, fotografias, desenhos, instalações e até bordados.

Orlando Lemos Galeria. Rua Melita, 95 (próximo à Praça Quatro Elementos), Jardim Canadá, Nova Lima (a 18 quilômetros de Belo Horizonte), ☎ 3224-5634. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h; domingo, 12h às 16h. Grátis. Até 7 de junho. A partir deste sábado (10).

› EM CARTAZ

✪✪✪ Expoprojeção 73 Hoje

Organizada por Aracy Amaral, a Expoprojeção reuniu em 1973 vídeos experimentais criados por jovens artistas. No ano passado, Aracy e o pesquisador Roberto Cruz recuperaram a maioria das obras e reeditaram a mostra em São Paulo. Feitos com projetores de slides, câmeras super-8 e em 16 milímetros, os filmes hoje podem parecer precários e improvisados. O importante, no entanto, foi o pioneirismo de uma turma de novos realizadores, hoje respeitados internacionalmente, como Cildo Meireles, Hélio Oiticica (1937-1980), Lygia Pape (1927-2004) e Anna Bella Geiger.

Centro de Arte Contemporânea e Fotografia. Avenida Afonso Pena, 737 (Praça Sete), Centro, ☎ 3236-7400. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 1º de junho.

Fotografia de Rua

+ Mostra Fotografia de Rua, no Oi Futuro, exibe 39 retratos do cotidiano urbano

Oi Futuro - Galeria de Artes Gráficas e Fotojornalismo. Avenida Afonso Pena, 4001, Mangabeiras, ☎ 3229-2059. → Terça a domingo, 10h às 18h. Grátis. Até 5 de junho.

Helder Profeta

O pintor mineiro exibe individual com cinquenta telas no recém-aberto Galpão Paraíso. Produzidas nos últimos dez anos, as obras hipercoloridas têm inspiração no universo dos mangás e da toyart.

Galpão Paraíso. Rua Cachoeira Dourada, 34, Paraíso, ☎ 9967-3331. Terça a sexta, 16h às 20h; sábado, 10h às 15h. Grátis. Até 3 de junho.

Mestres da Gravura na Coleção da Fundação Biblioteca Nacional

Foram selecionadas 170 obras do acervo de 30 000 itens da Fundação Biblioteca Nacional. São xilogravuras (resultado da impressão a partir de uma matriz de madeira) e exemplares de diferentes técnicas de gravação em metal típicas do período do Renascimento ao Iluminismo. No conjunto constam as chamadas gravuras originais, criadas por grandes mestres das artes visuais europeias, e as gravuras de interpretação, reproduções de obras-primas feitas por exímios gravadores da época. É uma boa oportunidade para ver de perto doze obras de Rembrandt (1609-1669) e nove imagens da série Os Provérbios de Francisco Goya (1746-1828).

Palácio das Artes - Galerias Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta. Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3263-7400. → Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 22 de junho.

O Olhar: do Íntimo ao Relacional

Na tentativa de investigar a história da arte na capital mineira, o curador Rodrigo Vivas organizou uma exposição que reúne 56 obras do Museu de Arte da Pampulha (MAP), do Museu Mineiro e do Museu Histórico Abílio Barreto. Sediada no MAP, a mostra foi dividida em quatro ambientes. Na primeira seção, chamada Desejo, uma estrutura em caracol exibe trabalhos em suas paredes internas; na sala Melancolia, estão paisagens antigas da cidade; no mezanino, Contaminação apresenta obras que mesclam mais de um suporte; e, por fim, na seção Vertigem, o visitante se vê de frente para a Lagoa da Pampulha e para uma videoinstalação de Eder Santos.

Museu de Arte da Pampulha. Avenida Otacílio Negrão de Lima, 16585, Pampulha, ☎ 3277-7946. → Terça a domingo, 9h às 18h30. Grátis. Até 13 de julho.

✪✪✪ Papel

+ Exposição Papel reúne trabalhos feitos com o material considerado pouco nobre no mundo da arte

AM Galeria de Arte. Rua Cláudio Manoel, 155, loja 4, Funcionários, ☎ 3223-4209. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 13h30. Grátis. Até quarta (14).

Rafael Bianchi Zavagli

O incômodo com o crescimento desgovernado dos grandes centros urbanos motivou o artista a pintar cenários ideais e a buscar cores, texturas e formas da natureza. Essas paisagens imaginárias são feitas a partir de fotografias tiradas por ele ou garimpadas na internet. De algumas imagens ele recolhe elementos naturais, de outras retira indícios da presença humana. Assim, como uma "colcha de retalhos", ele constrói espaços que não existem. "Esse trabalho é uma espécie de ode à natureza, em que eu deixo resquícios de civilização e crio meus próprios cenários utópicos", explica o artista.

Sesc Palladium - Galeria de Arte GTO. Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro, ☎ 3214-5350. → Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até dia 28.

✪✪✪✪ Wilma Martins: Retrospectiva - Cotidiano e Sonho

Ao contrário de contemporâneos como Amilcar de Castro (1920-2002) e Lygia Clark (1920-1988), cujas obras se destacam pela ousadia formal e por forte impacto visual, essa belo-horizontina preferiu a introspecção. Com traços finos e primorosos, Wilma Martins dedicou grande parte de sua carreira a desenhar a intimidade de ambientes domésticos. Suas salas, quartos, cozinhas e banheiros, no entanto, aparecem invadidos por crocodilos, peixes e vacas, em uma atmosfera delicadamente absurda. Aos 80 anos de idade, ela ganha bela retrospectiva organizada pelo marido — o consagrado crítico de arte Frederico Morais. Preste atenção em como a artista camufla a própria assinatura nas cenas retratadas.

Galeria de Arte do Centro Cultural Minas Tênis Clube. Rua da Bahia, 2244, Lourdes, ☎ 3516-1027. → 10h às 20h (domingo, 11h às 19h; fecha às segundas). Grátis. Até 22 de junho.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE