Exposições

Programação de exposições para o período entre 21 e 27 de maio

- Atualizado em

› ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪ João Quaglia

Estão atualmente em cartaz mostras grandiosas nos maiores espaços expositivos da cidade, como a individual de Sebastião Salgado no Palácio das Artes e a coleção de esculturas barrocas da nova Casa Fiat de Cultura. Vale a pena, no entanto, visitar um tesouro mais acanhado, em exibição na sede social do Pampulha Iate Clube (Pic). A pequena galeria abriga a primeira exposição de João Quaglia em Beagá. Desconhecido do grande público, o artista baiano é uma referência nacional na pintura figurativa. Morador de São João del-Rei há cerca de trinta anos, Quaglia é também considerado um dos precursores da litografia (gravura com desenho sobre matriz em pedra) em Minas Gerais. Promovida pela galeria Errol Flynn, a mostra Revivendo o Figurativo apresenta 35 telas produzidas ao longo da carreia do artista. Aos 86 anos, ele pintou a tela Santa Ceia especialmente para essa mostra.

Pampulha Iate Clube - Sede Social. Rua Cláudio Manoel, 1185, Funcionários. Segunda a sábado, 8h às 22h. Grátis. Até este sábado (21).

✪✪✪ Mestres da Gravura na Coleção da Fundação Biblioteca Nacional

Foram selecionadas 170 obras do acervo de 30 000 itens da Fundação Biblioteca Nacional. São xilogravuras (resultado da impressão a partir de uma matriz de madeira) e exemplares de diversas técnicas de gravação em metal típicas do período que vai do Renascimento ao Iluminismo. No conjunto constam as chamadas gravuras originais, criadas por grandes mestres das artes visuais europeias, e as gravuras de interpretação, reproduções de obras-primas feitas por exímios gravadores da época. É uma boa oportunidade para ver de perto doze obras de Rembrandt (1609-1669) e nove imagens da série Os Provérbios, de Francisco Goya (1746-1828).

Palácio das Artes - Galerias Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta. Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3263-7400. → Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até este domingo (22).

› EM CARTAZ

✪✪✪ Barroco Itália Brasil - Prata e Ouro

A mostra exibe gratuitamente quarenta esculturas barrocas dos mais importantes acervos italianos e brasileiros. Do acervo nacional, foram selecionadas vinte peças de madeira de grandes nomes da arte no estado - dezoito são de ícones como Mestre Valentim, Mestre de Piranga e do próprio Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e duas pertencem aos artistas contemporâneos Alfredo Ceschiatti (1918-1989) e Maurino de Araújo. A parte italiana impressiona com esculturas em prata que chegam a 2,20 metros de altura, como a Santa Rita de Cássia e a suntuosa Imaculada Conceição.

Casa Fiat de Cultura. Praça da Liberdade, 10, Funcionários, ☎ 3289-8900. → Terça a sexta, 10h às 21h; sábado, domingo e feriados, 14h às 21h. Grátis. Até 7 de setembro.

fARTura

O nome e a grafia do título são uma brincadeira com a quantidade de artistas reunidos nessa mostra. A primeira coletiva do Galpão Paraíso vai apresentar obras de cinquenta autores mineiros. Os pintores e coordenadores do espaço, Raquel Isidoro, Leo Brizola e Sérgio Arruda, vão dividir as paredes com artistas experientes, como Miguel Gontijo e Esthergilda Menicucci, e expoentes da nova geração, como Desali, Rafael Zavagli, Clara Valente e Rodrigo Mogiz.

Galpão Paraíso. Rua Cachoeira Dourada, 34, Paraíso, ☎ 9967-3331. Terça a sexta, 16h às 20h; sábado, 10h às 15h. Grátis. Até 20 de julho.

Fernando Luchesi

O pintor mineiro é um dos representantes da chamada Geração 80, que movimentou a cena artística brasileira no fim do regime militar. Na mostra Fernando Luchesi — O Finito e o Infinito, o veterano apresenta gravuras, objetos e telas inéditas com sua conhecida e vigorosa trama de tintas.

Galeria Dotart. Rua Bernardo Guimarães, 911, conjunto 20, Funcionários, ☎ 3261-1910. Segunda a sexta, 9h às 19h; sábado, 9h às 13h. Grátis. Até dia 28.

Futebol em Prosa

A galeria Manoel Macedo reuniu quarenta obras de artistas brasileiros inspirados pelo universo do futebol. Há fotografias, desenhos, esculturas, pinturas e vídeos de Amilcar de Castro, Lorenzato, Miguel Rio Branco, Marilá Dardot Solange Pessoa e Wanda Pimentel.

Manoel Macedo Galeria de Arte. Rua Lima Duarte, 158, Carlos Prates, ☎ 3411-1012. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 12 de julho.

Gambiólogos 2.0 - A Gambiarra nos Tempos do Digital

A matéria-prima não é nobre: são pranchas de madeira, computadores, gaiolas, eletrodos, ferros de passar e fios, muitos fios. Artistas de todo o mundo, no entanto, já construíram obras surpreendentemente interessantes a partir da miscelânea de objetos comuns. Estudiosos da "ciência da gambiarra", os mineiros Fred Paulino, Ganso e Lucas Mafra formaram o coletivo Gambiologia. Para eles, a gambiologia é o uso intencional desses improvisos em obras de arte e de design que contribuam para questionamentos sobre tecnologia, sustentabilidade e a própria arte. Na mostra Gambiólogos 2.0 - A Gambiarra nos Tempos do Digital foram reunidos objetos de artistas estrangeiros, como o americano Joseph Morris, e de autores brasileiros celebrados, como Marepe, Cao Guimarães, Farneses de Andrade e Arthur Bispo do Rosário.

Oi Futuro - Galeria de Artes Visuais. Avenida Afonso Pena, 4001, Mangabeiras, ☎ 3229-2979. → Terça a sábado, 11h às 21h; domingo, 11h às 19h. Grátis. Até 17 de agosto.

Gri Alves Júlio Toledo

Na mostra Concreto e Linha Fazem Arte, a autora recria em quinze bordados obras icônicas de Oscar Niemeyer (1907-2012). Estão retratados os principais símbolos do complexo arquitetônico da Pampulha, como a Igreja de São Francisco de Assis, o Museu de Arte Moderna, o Iate Tênis Clube e a própria Casa do Baile, que sedia a exposição.

Casa do Baile. Avenida Doutor Otacílio Negrão de Lima, 751, Pampulha, ☎ 3277-7443. Terça a domingo, 9h às 18h. Grátis. Até 20 de julho.

Marcílio Garzinelli

O fotógrafo exibe uma série de imagens aéreas feitas em campos de futebol de várzea da região metropolitana de Belo Horizonte.

AM Galeria de Arte. Rua Cláudio Manoel, 155, loja 4, Funcionários, ☎ 3223-4209. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 13h30. Grátis. Até 12 de julho.

Marta Neves e Selma Andrade

Vale a pena ir ao Jardim Canadá, em Nova Lima, para conferir trabalhos recentes de duas artistas mineiras. O galerista Orlando Lemos exibe as pinturas hiper-realistas de Selma Andrade e os bordados e vídeos de Marta Neves. Na série de pinturas Bolsa de Valores, Selma revela a intimidade e a personalidade de sujeitos comuns por meio do conteúdo de sua bolsa. Uma das duas mineiras confirmadas na próxima Bienal de São Paulo, Marta apresenta a série Cenas para uma Vida Melhor. Com miçangas e lantejoulas, ela recria frases encontradas em pichações, imagens sensacionalistas e, por vezes, agressivas. R$ 3 500,00 a R$ 5 500,00 (Selma Andrade). R$ 8 000,00 a R$ 9 000,00 (Marta Neves).

Orlando Lemos Galeria. Rua Melita, 95 (próximo à Praça Quatro Elementos), Jardim Canadá, Nova Lima (a 18 quilômetros de Belo Horizonte), ☎ 3224-5634. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 26 de julho.

Memorial Minas Gerais Vale

O museu exibe duas mostras fotográficas dedicadas ao futebol. Em Futebol: Sonho e Paixão, o visitante pode conferir partidas, jogadas e personagens marcantes do esporte registradas nas páginas da extinta revista O Cruzeiro. Já a exposição Brasil Futebol Clube traz imagens de quinze fotógrafos que retrataram os campinhos de futebol amador na periferia de grandes e pequenas cidades.

Memorial Minas Gerais Vale. Praça da Liberdade, s/nº, Funcionários (esquina com a Rua Gonçalves Dias), ☎ 3308-4000. → Terça, quarta, sexta e sábado, 10h às 18h; quinta, 10h às 22h; domingo, 10h às 14h. Grátis.

País Bom de Bola: Futebol e Identidade Cultural

A mostra reúne camisas oficiais de clubes nacionais e internacionais, as bolas das Copas de 1950 e deste ano, mesas de totó e de futebol de botão e uma coleção de reportagens sobre o tema.

Cine Theatro Brasil Vallourec - 4º e 5º andares. Praça Sete, Centro, ☎ 3201-5211. Terça a sábado, 10h às 21h; domingo, 14h às 20h. Grátis. Até 31 de julho.

✪✪✪ Resistir É Preciso...

Em outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog foi torturado até a morte por agentes do governo militar em um interrogatório. Esse episódio sombrio da história brasileira hoje está estampado até em livros didáticos. Há quarenta anos, no entanto, seria perigoso divulgá-lo. Idealizada pelo instituto que leva o nome de Herzog, a mostra Resistir É Preciso... reúne pinturas, cartazes, documentos, fotografias e depoimentos em vídeo sobre a resistência da imprensa durante a ditadura dos generais. A ideia é mostrar cronologicamente a militância de fotógrafos, artistas e repórteres que lutaram pela democracia até a eleição indireta de Tancredo Neves para presidente, em 1985. Entre as cerca de 200 peças expostas estão cliques dos fotojornalistas Orlando Brito e Luis Humberto, além de ilustrações de Rubem Grilo, que trabalhou em periódicos como Movimento, Opinião e O Pasquim.

Centro Cultural Banco do Brasil. Praça da Liberdade, 450, Funcionários, ☎ 3431-9400. → Quarta a segunda, 9h às 21h (fecha às terças). Grátis. Até dia 28.

✪✪✪✪ Sebastião Salgado

Ele mora em Paris e já viajou o mundo inteiro, mas garante que o paraíso fica mesmo em Aimorés, sua cidade natal, no interior de Minas Gerais. Lá, o fotógrafo Sebastião Salgado mantém desde 1998 o Instituto Terra, dedicado ao desenvolvimento sustentável do Vale do Rio Doce. Considerado um dos ícones da fotografia nacional, o mineiro ilustre exibe no Palácio das Artes a mostra Genesis, aberta em 2013, em Londres. As 245 imagens em grande formato foram clicadas durante oito anos de andanças por florestas, aldeias, montanhas, rios, regiões geladas e desérticas. Há retratos sensíveis de comunidades como a dos índios uaurás, em Mato Grosso, e registros impressionantes de animais selvagens. Em preto e branco e com primor formal, as imagens são gráficas, impactantes e merecem vários minutos de apreciação. A exposição não decepciona e faz jus ao burburinho que o fotógrafo causou em passagem por Beagá na última semana.

Palácio das Artes - Grande Galeria Alberto da Veiga Guignard e Espaço Mari'Stella Tristão. Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3263-7400. → Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 24 de agosto.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE