Exposições

Programação de exposições para o período entre 31 de maio a 06 de junho

- Atualizado em

ESTREIA

Sebastião Salgado

O fotógrafo mineiro celebrado internacionalmente realiza individual no Palácio das Artes. Conhecido por impactantes imagens em preto e branco, Salgado exibe a série Genesis, que retrata em 245 fotos cenários naturais de todo o mundo. Com primor formal, ele registrou belezas amazônicas, o deserto do Kalahari, comunidades nativas da Sibéria, a diversidade da vegetação de Madagascar e até as baleias da Antártida.

Palácio das Artes - Galerias Alberto da Veiga Guignard e Espaço Mari'Stella Tristão. Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3263-7400. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 24 de agosto. A partir de quarta (4).

ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪ Expoprojeção 73 Hoje

Organizada por Aracy Amaral, a Expoprojeção reuniu em 1973 vídeos experimentais criados por jovens artistas. No ano passado, Aracy e o pesquisador Roberto Cruz recuperaram a maioria das obras e reeditaram a mostra em São Paulo. Feitos com projetores de slides, câmeras super-8 e em 16 milímetros, os filmes hoje podem parecer precários e improvisados. O importante, no entanto, foi o pioneirismo de uma turma de novos realizadores, hoje respeitados internacionalmente, como Cildo Meireles, Hélio Oiticica (1937-1980), Lygia Pape (1927-2004) e Anna Bella Geiger. Centro de Arte Contemporânea e Fotografia. Avenida Afonso Pena, 737 (Praça Sete), Centro, ☎ 3236-7400. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até este domingo (1º).

✪✪✪ Festival Internacional de Linguagem Eletrônica

Crianças e adultos quase não conseguem disfarçar o riso quando entram na instalação Túnel. O piso e as paredes são compostos de 92 colunas articuladas que ondulam de acordo com o peso e o movimento dos visitantes. Criada pela dupla de paulistanos Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti, a peça é uma mistura de obra de arte com brinquedo de gente grande. Pelo segundo ano consecutivo em Beagá, o evento traz ao Oi Futuro seis instalações e 54 animações de artistas brasileiros e estrangeiros. Uma boa oportunidade para ver recursos tecnológicos aplicados de forma inovadora, poética e, quase sempre, divertida.

Oi Futuro - Galeria de Artes Visuais. Avenida Afonso Pena, 4001, Mangabeiras, ☎ 3229-3131. Terça a sábado, 11h às 21h; domingo, 11h às 19h. Grátis. Até este domingo (1º).

› EM CARTAZ

✪✪✪ Binho Barreto e Thiago Alvim

Quem torce o nariz para o grafite tem uma nova chance de rever suas opiniões. Uma visita à mostra de desenhos de Binho Barreto e Thiago Alvim, na Aliança Francesa, não demora e vai surpreender quem ainda associa arte de rua a vandalismo e sujeira. Com formação em artes plásticas pela Escola Guignard, os jovens mineiros são mais conhecidos por grafitar muros da capital, mas vêm ganhando prestígio em espaços tradicionais de arte. Binho tem 39 anos, assina desde 2008 uma tirinha semanal no caderno Ilustrada do jornal Folha de S.Paulo, já realizou uma individual de pintura em Beagá e tem trabalhos à venda em lojas de decoração da Zona Sul. Aos 25 anos, Thiago já havia trabalhado com o colega, mais experiente nas ruas, e recebeu dele o convite para expor pela primeira vez em uma galeria. A mostra é enxuta, mas suficiente para apresentar a maneira poética e até melancólica com que os artistas parecem enxergar o universo urbano.

Salão Cultural da Aliança Francesa de Belo Horizonte. Rua Tomé de Souza, 1418, Savassi, ☎ 3291-5187. Segunda a quinta, 8h às 21h; sexta e sábado, 8h às 16h. Grátis. Até 11 de junho.

Fernando Luchesi

O pintor mineiro é um dos representantes da chamada Geração 80, que movimentou a cena artística brasileira no fim do regime militar. Na mostra Fernando Luchesi - O Finito e o Infinito, o veterano apresenta gravuras, objetos e telas inéditas com sua conhecida e vigorosa trama de tintas.

Galeria Dotart. Rua Bernardo Guimarães, 911, conj. 20, Funcionários, ☎ 3261-1910. Segunda a sexta, 9h às 19h; sábado, 9h às 13h. Grátis. Até 28 de junho.

Mestres da Gravura na Coleção da Fundação Biblioteca Nacional

Foram selecionadas 170 obras do acervo de 30 000 itens da Fundação Biblioteca Nacional. São xilogravuras (resultado da impressão a partir de uma matriz de madeira) e exemplares de diferentes técnicas de gravação em metal típicas do período do Renascimento ao Iluminismo. No conjunto constam as chamadas gravuras originais, criadas por grandes mestres das artes visuais europeias, e as gravuras de interpretação, reproduções de obras-primas feitas por exímios gravadores da época. É uma boa oportunidade para ver de perto doze obras de Rembrandt (1609-1669) e nove imagens da série Os Provérbios de Francisco Goya (1746-1828).

Palácio das Artes - Galerias Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta. Avenida Afonso Pena, 1537, Centro, ☎ 3263-7400. Terça a sábado, 9h30 às 21h; domingo, 16h às 21h. Grátis. Até 22 de junho.

O Olhar: do Íntimo ao Relacional

Na tentativa de investigar a história da arte na capital mineira, o curador Rodrigo Vivas organizou uma exposição que reúne 56 obras do Museu de Arte da Pampulha (MAP), do Museu Mineiro e do Museu Histórico Abílio Barreto. Sediada no MAP, a mostra foi dividida em quatro ambientes. Na primeira seção, chamada Desejo, uma estrutura em caracol exibe trabalhos em suas paredes internas; na sala Melancolia, estão paisagens antigas da cidade; no mezanino, Contaminação apresenta obras que mesclam mais de um suporte; e, por fim, na seção Vertigem, o visitante se vê de frente para a Lagoa da Pampulha e para uma videoinstalação de Eder Santos.

Museu de Arte da Pampulha. Avenida Otacílio Negrão de Lima, 16585, Pampulha, ☎ 3277-7946. Terça a domingo, 9h às 18h30. Grátis. Até 13 de julho.

Resistir É Preciso...

A mostra reúne pinturas, cartazes, documentos, fotografias e depoimentos em vídeo sobre a resistência da imprensa durante a ditadura dos generais. A ideia é mostrar cronologicamente a militância de fotógrafos, artistas e repórteres que lutaram pela democracia até a eleição indireta para presidente de Tancredo Neves, em 1985. Entre as cerca de 200 peças expostas, estão cliques dos fotojornalistas Orlando Brito e Luis Humberto, além de ilustrações de Rubem Grilo, que trabalhou em periódicos como Movimento, Opinião e O Pasquim.

Centro Cultural Banco do Brasil. Praça da Liberdade, 450, Funcionários, ☎ 3431-9400. Quarta a segunda, 9h às 21h (fecha às terças). Grátis. Até 28 de julho.

✪✪✪✪ Wilma Martins: Retrospectiva - Cotidiano e Sonho

Ao contrário de contemporâneos como Amilcar de Castro (1920-2002) e Lygia Clark (1920-1988), cujas obras se destacam pela ousadia formal e por forte impacto visual, essa belo-horizontina preferiu a introspecção. Com traços finos e primorosos, Wilma Martins dedicou grande parte de sua carreira a desenhar a intimidade de ambientes domésticos. Suas salas, quartos, cozinhas e banheiros, no entanto, aparecem invadidos por crocodilos, peixes e vacas, em uma atmosfera delicadamente absurda. Aos 80 anos de idade, ela ganha bela retrospectiva organizada pelo marido - o consagrado crítico de arte Frederico Morais. Preste atenção em como a artista camufla a própria assinatura nas cenas retratadas.

Galeria de Arte do Centro Cultural Minas Tênis Clube. Rua da Bahia, 2244, Lourdes, ☎ 3516-1027. 10h às 20h (domingo, 11h às 19h; fecha às segundas). Grátis. Até 22 de junho.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE