Comer & Beber 2011/2012

Xapuri: O melhor brasileiro

- Atualizado em

Xapuri: o melhor brasileiro
(Foto: Redação VejaBH)

Numa área de 8 000 metros quadrados na região da Pampulha, Nelsa Trombino comanda uma equipe de 100 funcionários e, nos fins de semana, chega a receber cerca de 1 000 clientes de todos os cantos do país. Com jeitão de fazenda, o espaço tem mesas comunitárias de madeira, uma lojinha de artesanato, uma fábrica de doces e uma escola de equitação. Filha de italianos, Nelsa começou a cozinhar ainda pequena no fogão à lenha da família. Mas foi só quando se mudou para a fazenda do sogro, em Lagoa da Prata, no interior de Minas Gerais, que se aprofundou de vez na culinária mineira. "Aprendi a preparar tudo de maneira artesanal", lembra. Tal processo é seguido à risca até hoje, já que lá também são feitos queijos e cerca de 300 quilos de linguiça semanalmente. Para forrar o estômago, há porções e tira-gostos, a exemplo do pastel de angu recheado de carne-seca (R$ 27,00 com dez unidades) e do jiló com queijo (R$ 17,00). O cardápio de pratos principais revisita clássicos da cozinha local, como a costelinha da sinhá, receita preferida da chef, guarnecida de feijão-tropeiro, mandioca e couve (R$ 72,00). O talharim com frango preguento, explica Nelsa, traz a coxa com pouco caldo para pregar nos dedos (R$ 67,00). Acompanham as receitas a cerveja artesanal Backer, disponível nas versões clara, de trigo e pale ale, todas por R$ 8,00. Na hora da sobremesa, é difícil resistir ao balcão composto por cerca trinta delícias típicas, entre elas doce de leite, ambrosia, cocada queimada, quindim e goiabada (R$ 64,90 o quilo).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE