Curiosidades à mesa

Curiosidades à mesa

- Atualizado em

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Uma mesa para todos

E m seu livro História da Arte da Cozinha Mineira, de 2000, Maria Lúcia Clementino Nunes, mais conhecida como dona Lucinha, apresenta cerca de setenta receitas da gastronomia do estado, percorrendo desde suas origens indígenas, passando pela presença dos colonizadores portugueses, até a herança dos escravos africanos. Um dos traços históricos ainda permanentes, segundo ela, é a mesa farta onde comem muitos, o que pode ser observado até hoje não apenas no interior, como nos almoços de muitas famílias na capital. Outra característica de nossa secular culinária são a diversidade e a riqueza dos ingredientes. Abaixo, quatro deles, como são preparados e onde degustá-los.

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Expansão Gourmet

Quatro regiões da capital foram incrementadas nos últimos anos com a abertura de novos restaurantes, bares e casas de comidinhas.

Buritis

• Bistrô de Crepes

• Caçapa's Sul

• Clube Chalezinho

• Hashi

• Kinoko

• La Macelleria

• Mello Restaurante e Pizzaria

• One Burguer

• Ponto da Esfiha

• Sam's Burguer

• Sodiê Doces

Vila da Serra

• Bruges Cervejaria Gourmet

• Dorival

• Jack's Big Burger

• Padaria Antoine

• Tmak Temakeria e Sushi Bar

Avenida Fleming

• Barolio

• Burgueria Pampulha

• Butiquim Seu Jorge

• Camarote Music Bar

• FeiJUada

• Ochi Sushi

• 7 Cacau

• Surubim no Espeto

• Villa Rica Bistrô

Prado

• Empório 304

• Dow Jones

• Namastê

• Plural Coffee Bar

• O Rei Espetinhos

• Reza Forte

• Translanche

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Um setentão de respeito

Em 1939, quando o Café Nice abriu as portas no Centro, a então jovem capital mineira contava com pouco mais de 100 000 habitantes e não parava de crescer. Durante mais de setenta anos, o estabelecimento recebeu personalidades da política e da cultura, banqueiros e todo tipo de gente, ganhando a merecida fama de espaço democrático. Em meio a tantos tipos de cliente, sempre houve uma unanimidade: o creme de maisena com ameixa (R$ 2,70), ótimo na companhia do café de coador (R$ 1,50). A receita está presente no cardápio desde a inauguração da casa. Um sucesso incontestável.

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Cormir depois de comer

Na correria diária, alguns estabelecimentos da cidade proporcionam a seus clientes, além de conforto, espaços de descanso que permitem até uma soneca depois das refeições. Confira três restaurantes onde a sesta é possível.

Alpino - no Centro, tem uma sala com iluminação reduzida e poltronas macias

Preferido do Rei - uma rede, bancos com almofadas e uma bela vista da serra em Nova Lima

Jardim Gourmet - redes estendidas entre árvores frutíferas, na Cidade Administrativa

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)
Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

5 restaurantes para degustar a caninha

Há muito tempo ela deixou de ser desprezada e figura como estrela no cardápio de bebidas de várias casas.

Paladino: Cachaça Paladino (R$ 5,00) e Seleta (R$ 4,00)

Vecchio Sogno: Lua Cheia (R$ 9,50) e Havana (R$ 39,00)

Xico da Kafua: Tabaroa (R$ 10,00) e Canarinha (R$ 12,00)

Chez Fumoir: Germana (R$ 10,00) e Vale Verde (R$ 9,00)

Mello: Cobiçada (R$ 4,50) e Salinas (R$ 4,00)

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE