Comer & Beber 2013

Edição especial de VEJA BH premia os melhores bares, restaurantes e casas de comidinhas da cidade

VEJA BH Comer & Beber distribuiu 47 prêmios para os campeões da gastronomia da capital mineira

- Atualizado em

Raul Chaves
(Foto: Redação VejaBH)

Os campeões: 47 prêmios distribuídos no último dia 23

Mais de 650 pessoas acompanharam, na noite do último dia 23, a entrega dos prêmios da edição especial VEJA BH "Comer & Beber", lançada no Salão Torre Alta Vila, em Nova Lima. Durante a festa, apresentada pela atriz Milena Toscano, foram conhecidos os 47 ganhadores da mais importante celebração da gastronomia de Belo Horizonte. Publicada no fim de semana passado, a edição trouxe 750 endereços de bares, restaurantes e comidinhas. Homenageada por VEJA BH como a personalidade gastronômica do ano, Nelsa Trombino, proprietária do restaurante Xapuri, subiu ao palco às lágrimas. "Enquanto a apresentadora ia lendo a história, eu fui me identificando e comecei a chorar. Não esperava", conta. Depois da premiação, dona Nelsa, como é carinhosamente chamada, desfilou por seu estabelecimento com a placa comemorativa nas mãos, exibindo-a orgulhosa aos clientes. Ela recebeu também o prêmio de melhor restaurante na categoria brasileiro/regional. O reconhecimento dos jurados fez com que a casa tivesse um movimento 20% maior no último domingo, em relação ao mesmo dia da semana anterior.

Esse crescimento se repetiu em outros endereços vencedores. Eleito o melhor pão de queijo pela décima vez, o supermercado Verdemar registrou um aumento de 20% na venda do quitute na semana passada. "Já na sexta, mesmo antes de a revista chegar às bancas, o restaurante ficou lotado por causa da repercussão da festa", diz um dos donos do Trindade, Felipe Rameh, escolhido o chef do ano. Proprietário da Casa de Abrahão Bistrô Árabe, Antônio Abrahão Neto se surpreendeu com o número de clientes. "Seria preciso ter três vezes mais lugares e equipe para atender todo mundo que veio aqui."

MAIS + Veja a galeria de fotos

O proprietário do Bartiquim, Rômulo Silva, o Bolinha, levou sua filha Júlia, de 5 anos, para assistir à premiação. Na sexta e no sábado, bastava que se formasse uma pequena fila na porta do melhor boteco de BH para a menina distribuir autógrafos. "Ela disse que estamos famosos", conta o pai coruja. Bolinha, que afirma ter ficado dois dias sem dormir após a premiação, vendeu sete vezes mais cerveja do que o normal no fim de semana. Entre os petiscos, a procura foi igualmente avassaladora. "Alguns tira-gostos acabaram no domingo à tarde. Tive de ir às mesas explicar aos clientes que era culpa de VEJA BH." Karyna Golino Barros, a proprietária da Meu Brigadeiro, eleita o melhor lugar para comer o docinho, conta que a esfera de mexerica com gengibre, destacada no texto sobre a sua casa, foi uma das que mais saíram no fim de semana. "Normalmente, não é muito pedida", diz. Uma das freguesas confidenciou que sempre passava por sua porta, mas só decidiu entrar depois que viu a reportagem na revista. "O prêmio é muito especial. Além de ter ganho, fiquei emocionada com a escolha da dona Nelsa. Quero ser como ela quando crescer", brincou.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE