Shows

Grupo pernambucano Mundo Livre S/A celebra 25 anos no Granfinos

Em nova fase, mangueboys mostram as canções do álbum Novas Lendas da Etnia Toshi Babaa

Por: Rafael Rocha - Atualizado em

Divulgação
(Foto: Redação VejaBH)

Areia, Léo D, Xef Tony, Zero Quatro e Tom Rocha: em ótima forma

A morte prematura de Chico Science em um acidente de carro, em 1997, causou um baque na música brasileira. Com apenas 30 anos, ele era a voz mais atuante do mangue beat, o inovador movimento musical surgido no Recife, que andava em franca ascensão. Quinze anos se passaram e, no decorrer desse tempo, a filosofia musical nutrida pelos pernambucanos não ressoa mais no país como antes. Esmoreceu, mas felizmente não morreu. Alguns grupos se encarregaram de levar a batida à frente, como Mestre Ambrósio, Mombojó, Nação Zumbi e Mundo Livre S/A. Esse último, liderado pelo músico Fred Zero Quatro, chega ao palco do Granfinos na sexta (28), para celebrar 25 anos de estrada. Lançado no ano passado, o álbum Novas Lendas da Etnia Toshi Babaa — excelente trabalho que marca a nova fase do grupo — serve de recheio para a apresentação. É show para chafurdar no mangue beat e sacudir o esqueleto. Matreiros, eles exibem vasto rol de influências, indo da ousadia de Tom Zé ao suingue de Jorge Ben Jor. Inserções eletrônicas e teclados retrôs temperam ainda mais o trabalho, que conta com participações de Silvia Machete e BNegão. Dá gosto ouvir as letras dos mangue boys, que costumam surfar numa maré que presta oferenda às mulheres, caso das canções Ela é Indie, O Velho James Browse Já Dizia e O Varão e a Fadinha. Não à toa foram considerados neste ano o melhor grupo no 23º Prêmio da Música Brasileira. Os mineiros da banda Zimum e o DJ Deivid também se apresentam no mesmo dia.

Mundo Livre S/A. Granfinos (800 pessoas). Avenida Brasil, 326, Santa Efigênia, ☎ 3241-1482. Sexta (28), 22h. R$ 40,00. Cd: M e V. Bilheteria: 14h às 19h (seg. a sex.). Lista amiga no site www.granfinos.com.br.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE