Música

Irmãos Max e Iggor Cavalera voltam a se apresentar juntos em Belo Horizonte

Após dezoito anos longe da terra natal, dupla que fundou o Sepultura mostra o projeto Cavalera Conspiracy

Por: João Renato Faria - Atualizado em

Ricardo Correa
(Foto: Redação VejaBH)

Max e Iggor em um show do Sepultura, em 1994: as desavenças ficaram no passado

Já era noite no Parque da Gameleira naquele novembro de 1994 quando o Sepultura subiu ao palco. Formada dez anos antes, a banda mineira de heavy metal estava no auge, curtindo o sucesso do disco Chaos A.D. A turnê era com o grupo punk americano Ramones, mas, quando o vocalista Max Cavalera apareceu junto do baterista e irmão Iggor, do baixista Paulo Jr. e do guitarrista Andreas Kisser, eles foram recebidos como heróis pelo público local, que acompanhou sua trajetória desde o começo.

Aquela seria a última vez que os Cavalera se apresentariam juntos na cidade em que nasceram. Uma briga na banda levou Max a deixá-la em 1996. Ele fundou um novo grupo, o Soulfly, enquanto o irmão seguiu com o Sepultura, que chamou o americano Derrick Green para os vocais. Os dois ficaram sem se falar até 2006, quando o baterista também se desentendeu com os companheiros e os abandonou.

Agora, dezoito anos depois daquele show no Parque da Gameleira, os fãs belo-horizontinos verão a dupla novamente no mesmo palco. Na sexta (16), eles se apresentam com o projeto Cavalera Conspiracy no Music Hall. O conjunto foi criado em 2007, após a reaproximação dos irmãos, e segue a linha que consagrou o Sepultura: som pesado, rápido e agressivo. O show em BH marca também a estreia da banda na cidade, já que o quarteto quase não se apresentou no país. "Era uma luta minha termos mais datas pelo Brasil", afirma Iggor. Além dele e de Max, completam a formação o guitarrista Marc Rizzo e o baixista Johny Chow.

Para Iggor, o show é especial por marcar a volta à cidade onde a trajetória dos dois irmãos começou. Eles passaram parte da infância em São Paulo e deixaram Belo Horizonte logo após o sucesso do Se­­pultura. "Nossa história com BH é meio maluca, nômade", conta. Apesar de o Ca­­valera Conspiracy já haver lançado dois discos, o repertório da noite não terá apenas as canções do grupo. "Fo­camos os shows nos trabalhos que eu e o Max fizemos juntos", diz Iggor. Os petardos do Sepultura, portanto, estão garantidos. Não faltarão motivos para balançar a cabeça.

Cavalera Conspiracy. Music Hall (1 500 lugares). Avenida do Contorno, 3239, Santa Efigênia, ☎ 3271-7237. Sexta (16), 21h. R$ 60,00 a R$ 120,00. Ingressos à venda na loja 53HC (Rua Rio de Janeiro, 630, conjunto 53).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE