Shows

Programação completa do Festival Eletronika

- Atualizado em

PALCO ELETRONIKA

O Festival traz a oportunidade aos artistas e bandas nacionais de se apresentarem lado a lado com artistas internacionais promissores e de destaque no cenário da música de vanguarda mundial em um dos melhores palcos da cidade.

Sexta-feira, 12 de setembro

A primeira atração do PALCO ELETRONIKA é o lançamento do cd ENCARNADO, da cantora Juçara Marçal na sexta-feira, dia 12 de setembro. Além de participar de vários projetos (MetáMetá, A Barca, Vésper Vocal), Juçara lança agora um disco com seu nome. A mola do trabalho continua sendo o pensamento coletivo sobre os arranjos e a sonoridade, norteados pela voz e escolhas da cantora. Os parceiros desse novo disco são Kiko Dinucci, Rodrigo Campos, e Thomas Rohrer. Duas guitarras, cavaquinho e rabeca. As cordas dão suporte à voz cantora nesse novo trabalho, que soa diferente de tudo que ela fez até o momento. No disco, há também a participação de Thiago França em duas faixas.

Sábado, 13 de setembro

No dia 13 de setembro é a vez de Maurício Takara apresentar a sua "Música resiliente para piano e vibrafones" no Palco Eletronika, uma composição aberta para instrumentações e interpretações diversas. Com referências fortes da música de percussão mântrica de lugares como Brasil, Índia e Tailândia, e de compositores minimalistas como Terry Riley (com sua marcante "In C"), Philip Glass e Steve Reich; a "Música Resiliente" convida músicos de universos musicais não convencionais para uma configuração mais próxima à de câmara. São ritmos que se transformam em melodias, que criam harmonias espontâneas e efêmeras, que voltam ao seu estado de "apenas" ritmo, que se dissolvem em texturas e harmônicos.

Na sequência,o músico italiano Lorenzo Senni, investigador incansável de mecanismos de dance music e chefe do respeitado rótulo experimental Presto!?, além de ter produzido um dos álbuns mais originais dos últimos dois anos, "Jelly Quantum" (rótulo EditionsMego).Sua obra explora a ideia do "acúmulo" encontrado na dance music como ponto de partida, com partes mais introspectivas que deixam implícitas a preservação da sua tensão emocional e dramática. A música muitas vezes começa com uma ideia simples ou padrão musical, forçando uma percussão sonora espiral, infinitamente contagiosa e melódica.Como fundador da Presto!? Records, Lorenzo lançou álbuns de vários artistas de renome internacional, incluindo FlorianHecker, CarstenHoller, DJ Stingray, Carl Michael von Hausswolff, quiromancia, Marcus Schmickler, entre outros.LorenzoSenni tocou em festivais internacionais como CTM 13 Golden Age, no 20º aniversário do SONAR 2013, Supersimetria, Club To Club, Donau Festival, já expôs seu trabalho e realizou performances no Centre Pompidou (Paris), Casa da Musica (Porto), AuditoriumRai (Torino), Berghain (Berlin), SPACE (London), Gasconade (Milan), Zabludowicz Foundation (London), 1M3 (Lausanne), S.M.A.K. (Ghent).

Domingo, 14 de setembro

Encerrando o festival no dia 14 de setembro, duas atrações de peso finalizam o evento no Palco Eletronika em grande estilo. O quarteto HAB, apresenta suas composições originadas das bases mântricas e percussivas criadas pelo guitarrista Guilherme Valério, que tomam forma no processo de criação colaborativa junto aos músicos Marco Nalesso (guitarra), Marcos Gerez (baixo) e Thiago Babalu (bateria). Nos arranjos, a banda apropria-se da polirritmia e da estética minimalista para criar um post-rock influenciado por vertentes da música africana e regional brasileira, como a guitarrada paraense. A sonoridade se completa com momentos de improvisação livre dos músicos. O quarteto é formado por membros do M.Takara 3, Acachapa, Hurtmold, Nalesso e A Fundação e Siba.

To Rococo Rot, trio de Berlim\Düsseldorf, maior nome da música eletrônica dos últimos 20 anos também se apresenta nesta edição do Eletronika. O trio formado pelo baixista Stefan Schneider e pelos irmãos Robert (guitarra e eletrônicos) e Ronald Lippok (bateria e efeitos), combina elementos eletrônicos e acústicos em seus trabalhos. O álbum que será apresentado, Instrument foi um registro histórico que mostra a serenidade de melodias suaves com adornos de Arto Lindsay, oferecendo uma nova perspectiva. Tanto a progressão, como um curso de reciclagem para o material mais antigo do grupo, é sem dúvida o disco mais refinado até o momento. Descontraídas e sem pressa, as palavras de Lindsay se prestam perfeitamente à estética de ToRococoRot, puxando-os por meio de um espaço desconhecido e, ocasionalmente, baseada no pop. Embora as melodias já estivessem sempre presentes em grande parte do som do trio, a inclusão de uma voz humana foi uma modificação distinta.

O norte americano , Arto Lindsay ficou no cruzamento da música e da arte por mais de quatro décadas. Como um membro do DNA, ele contribuiu para a criação da No Wave. Como líder da banda AmbitiousLovers ele desenvolveu uma música pop intensamente subversiva, um híbrido de estilos americanos e brasileiros. Ao longo de sua carreira, Lindsay tem colaborado com artistas visuais e musicais, incluindo VitoAcconci, Laurie Anderson, Animal Collective, Matthew Barney, Caetano Veloso e RirkritTiravanija. Também esteve envolvido com o carnaval no Brasil por muitos anos, e em 2004, ele começou a fazer desfiles.

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE