Shows

Na sexta (20), a cantora Nina Becker canta músicas da inesquecível Dolores Duran

A apresentação ganha um colorido particular graças ao bandolim de Luis Barcelos e ao violão 7 cordas de Lucas Porto

Por: Rafael Rocha - Atualizado em

Caroline Bitencourt
(Foto: Redação VejaBH)

A cantora carioca: sua bela voz está na companhia exclusiva de bandolim e violão

Lânguida e de cabelo escorrido, Nina Becker tem afiado a voz com o passar do tempo. Seu gingado já foi mostrado desde o impacto inicial da Orquestra Imperial, mas agora o papo é mais íntimo. No disco Minhas Dolores, lançado em 2014, esse esmeril vocal parece ter trabalhado bastante. O repertório todinho de músicas de Dolores Duran — não as mais famosas - ganha um verniz gracioso com o chiado carioquês de Nina. Isso mesmo quando ela canta passagens melancólicas, como "o amor não se pode explicar", trecho de O Amor Acontece. Não se preocupe: não é uma apresentação que se atola nas profundezas de uma fossa. O bandolim de Luis Barcelos e o violão de sete cordas de Lucas Porto dão um colorido particular a temas já luminosos, como Marca na Parede e Canções de Mulher. De forma propositada, ficaram de fora algumas músicas mais famosas de Dolores, como as tristonhas A Noite do Meu Bem e Fim de Caso. Já cantadas e requentadas, cederam espaço a obras como Estatuto de Boate e Feiura Não É Nada. Foi acertada a opção por mirar outros horizontes da compositora que nos deixou cedo demais (morreu de infarto aos 29 anos) e se tornou ícone incontestável do samba-canção. Livre.

Teatro Bradesco (613 lugares). Rua da Bahia, 2244, Lourdes, ☎ 3516-1360. → Sexta (20), 21h. R$ 40,00. Bilheteria: 12h/21h (seg. a sex.); 12h/20h (sáb.); 12h/19h (dom.). Cc: todos. Cd: todos. IR.

Eterna lembrança: Dolores Duran foi a compositora mais gravada no Brasil, segundo a biografia escrita pelo jornalista Rodrigo Faour

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE