Teatro

5 perguntas para Danilo de Moura

Substituto de Tiago Abravanel em Tim Maia - Vale Tudo, o Musical, o paulistano retorna à capital para mais três apresentações

- Atualizado em

Arquivo pessoal
(Foto: Redação VejaBH)

Como foi a sua trajetória até aqui?

Eu canto e toco desde os 13 anos. Comecei me apresentando em formaturas e bares, aí conheci o teatro musical e engatei uma sequência de peças, Aída, Hairspray, Huck Finn e Alladin. Depois fiz o teste para Tim Maia. O Ti pegou o papel. Quando ele teve de se afastar, fui chamado para uma segunda tentativa. Nessa época eu estava bastante envolvido com a minha banda, a Cia Mil Cento e Onze. Já tinha desistido da ideia do musical, mas acabei encarando.

Houve algum receio de pegar o papel?

Não é fácil substituir um ator que está em evidência. O espetáculo tinha acabado de mudar completamente a trajetória do Tiago. Fiquei com receio, mas, quando comecei a ensaiar e a entender o personagem, superei. Vi que o que eu tinha de fazer era curtir a peça.

Qual a diferença entre o Tim Maia do Tiago e o seu?

Acho que o Tim dele tem um aspecto um pouco mais doce, prende pela fofura, vamos dizer assim. Eu sou muito mais ogro, cavalão.

Você teve de engordar muitos quilos em pouco tempo para fazer o personagem. Foi difícil?

Não pensei duas vezes. Tirei o pé do freio e comi até dizer chega. Em dois meses, engordei 25 quilos.

E agora, quais os planos?

Pretendo gravar um disco e fazer uma turnê com a banda. TV não é meu foco. Se pintar, gostaria de fazer um longa ou, de repente, um seriado. Mas é difícil acabar com o espetáculo. A casa está sempre cheia. É uma loucura!

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE