Teatro

Drama da Cia OmondÉ, Nem Mesmo Todo o Oceano, traz à tona os porões da ditadura

Adaptada do romance de Alcione Araújo, o espetáculo mostra história de médico legista do DOI-Codi

Por: Isabella Grossi - Atualizado em

Silvana Marques
(Foto: Redação VejaBH)

Leonardo Bricio: em cartaz neste fim de semana, no CCBB

No ano em que se completam cinquenta anos do golpe militar, a Cia OmondÉ estreia na capital a sua mais recente montagem, Nem Mesmo Todo o Oceano, uma adaptação de Inez Viana para a obra de Alcione Araújo. As quase 800 páginas do livro foram abreviadas em pouco mais de uma hora de peça, marcada pela história de um jovem rapaz que sai de Minas Gerais para se formar médico no Rio de Janeiro. Sua ingenuidade política, porém, o leva a ocupar um dos postos de médico-legista do DOI-Codi. Conduzido por Leonardo Bricio, Iano Salomão, Jefferson Schroeder, Junior Dantas, Luis Antonio Fortes e Zé Wendell, o drama ressurge com um dos mais lamentáveis capítulos da recente história brasileira (80min). 16 anos.

Centro Cultural Banco do Brasil - Sala Multiuso (100 lugares). Praça da Liberdade, 450, Funcionários, ☎ 3431-9400. → Neste sábado (12) e domingo (13), 19h. R$ 10,00. Bilheteria: 9h às 21h (qua. a seg.).

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE