Teatro

Malefícios da tecnologia estão na peça Argonautas de Um Mundo Só

Apresentação do grupo O Coletivo está em cartaz no Spetaculo Casa de Artes, no Santa Tereza

Por: Isabella Grossi - Atualizado em

Ludmila Loureiro
(Foto: Redação VejaBH)

Priscilla D´Agostini: crítica à solidão digital

Avaliação ✪✪✪

O universo acelerado e volátil do ambiente digital sem dúvida nenhuma traz muitos benefícios para a sociedade. Por outro lado, também é fonte de um sem-número de questionamentos existenciais e sociais. Dirigido por Júlio Vianna, o espetáculo dramático Argonautas de um Mundo Só, do grupo O Coletivo, põe em cena P, X, F e G, como são chamados os personagens, para questionar a virtualização das práticas cotidianas. No espaço físico-virtual, Glauco Mattos, Alexandre Vasconcelos, Flávia Fernandes e Priscilla D' Agostini vivem a incessante busca de outros e da própria identidade. Fragmentos de suas histórias são expostos por meio de depoimentos intimistas, em um cenário marcado por registros audiovisuais e projeções no corpo dos atores. A interação com a plateia já começa do lado de fora do teatro, quando o espectador é incentivado a postar mensagens no blog e enviar vídeos que poderão ser transmitidos no palco. A prática reforça a pesquisa do grupo em processos criativos que articulam linguagem teatral e tecnologia. O tema foi explorado pela primeira vez na peça Máquina de Pinball (2008), de Clarah Averbuck.

Argonautas de um Mundo Só (60min). 14 anos. Estreou em 6/12/12. Spetaculo Casa de Artes (150 lugares). Rua Pouso Alegre, 1568, Santa Tereza, ☎ 3481-1670. → Neste sábado (15), 21h, e domingo (16), 20h. A bilheteria abre duas horas antes.

Cotações | Péssimo ← | Fraco ✪ | Regular ✪✪ | Bom ✪✪✪ | Muito bom ✪✪✪✪ | Excelente ✪✪✪✪✪

Fonte: VEJA BELO HORIZONTE